Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

10 tendências cibernéticas de 2024

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

O cenário da segurança cibernética continua evoluindo com uma velocidade e complexidade sem precedentes. As inovações tecnológicas, embora tragam benefícios significativos, também introduzem novos desafios e vulnerabilidades. Com a dependência cada vez maior de sistemas digitais em todos os aspectos da vida, desde a infraestrutura crítica até os dispositivos pessoais, a importância de manter a segurança cibernética nunca foi tão crítica. Esta nova realidade digital exige uma vigilância constante e uma adaptação ágil às ameaças emergentes, tornando crucial estar a par das tendências mais recentes no campo da cibersegurança.

Para destacar as principais tendências e desafios emergentes no setor, o renomado especialista em tecnologia e CEO da Avantiv, Roberto Martins, compartilha sua visão sobre o que esperar em 2024 em termos de cibersegurança.

  1. Inteligência Artificial na Defesa Cibernética: A IA está transformando a segurança cibernética, oferecendo capacidades avançadas para a detecção automática de ameaças, análise de padrões de comportamento e resposta rápida a incidentes. Com algoritmos sofisticados, a IA pode identificar e neutralizar ameaças em tempo real, adaptando-se continuamente a novas estratégias de ataque.
  2. A Ascensão do Quantum Hacking: A computação quântica promete revolucionar diversos campos, mas também traz o risco do “quantum hacking”. Essa nova forma de hacking poderá quebrar facilmente os algoritmos criptográficos atuais. As organizações precisam começar a preparar suas defesas cibernéticas para essa realidade, investindo em criptografia pós-quântica que utilizam algoritmos resistentes a ataques de computadores quânticos.
  3. Segurança em IoT: Com o aumento exponencial de dispositivos conectados à Internet, a segurança em IoT se torna essencial para proteger redes domésticas e corporativas. Garantir atualizações regulares de firmware, autenticação robusta e monitoramento de rede são algumas das estratégias para mitigar os riscos.
  4. Blockchain para Segurança Cibernética: O blockchain oferece um método de armazenamento de dados à prova de violações, que pode ser usado para criar sistemas de segurança mais robustos. Essa tecnologia é particularmente útil para garantir a integridade dos dados e prevenir fraudes e ataques de hackers.
  5. Conscientização e Treinamento em Cibersegurança: A educação contínua dos funcionários sobre as melhores práticas de segurança é vital. Isso inclui treinamento sobre como identificar phishing e outras tentativas de engenharia social, bem como políticas para a gestão segura de senhas e dispositivos.
  6. Leis e Regulamentações Mais Rigorosas: Governos ao redor do mundo estão implementando regulamentações mais rigorosas para proteção de dados e privacidade. Isso inclui leis como GDPR na União Europeia e LGPD no Brasil, que impõem penalidades severas por violações de dados.
  7. Segurança na Nuvem: Com a crescente adoção da nuvem, surgem novos desafios de segurança. As empresas precisam garantir a segurança de seus dados na nuvem, adotando práticas como a criptografia de dados, gestão de identidade e acesso, e segurança de aplicações web.
  8. Ransomware e Sequestro de Dados: O ransomware continua a ser uma grande ameaça, com atacantes sequestrando dados e exigindo resgate. Estratégias de defesa incluem backups regulares, atualizações de segurança e treinamento de funcionários para prevenir a infecção inicial.
  9. Autenticação Sem Senha: As senhas são frequentemente o elo mais fraco na segurança. A tendência é a adoção de métodos de autenticação mais seguros e convenientes, como biometria, tokens de hardware e autenticação multifatorial.
  10. Ameaças Internas: Além das ameaças externas, as organizações precisam estar atentas a riscos internos, seja por malícia ou negligência. Isso requer monitoramento contínuo de atividades internas, políticas de privilégios de acesso e treinamento em segurança para todos os funcionários.

Estas tendências refletem a natureza dinâmica do setor e o esforço contínuo necessário para proteger informações e sistemas contra agentes mal-intencionados. Desde o avanço da inteligência artificial e a ameaça potencial da computação quântica até a importância crescente da conscientização em segurança, estas tendências são um indicativo claro do que profissionais, empresas e usuários individuais devem esperar e como devem se preparar para um futuro digital seguro e resiliente, como avalia o especialista.

“Estamos em um ponto de inflexão na segurança cibernética. As organizações devem se adaptar rapidamente para enfrentar não apenas as ameaças atuais, mas também se preparar para desafios futuros, como a emergência da computação quântica. Ao mesmo tempo, é crucial que as organizações invistam na conscientização e treinamento de seus funcionários, pois o fator humano continua sendo um elo vital na cadeia de segurança”, afirma Roberto Martins.