Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

8 presos por golpe online no Maranhão

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

8 presos por golpe online no MaranhãoA polícia do Maranhão prendeu sexta-feira da semana passada, em Imperatriz, oito membros de uma quadrilha que usava a internet para furtar dados de contas bancárias e usá-los para o pagamento de boletos. O golpe é bastante conhecido: a quadrilha anuncia que liquida dívidas por um valor menor do que o real; recebe esse dinheiro do cliente e fica com ele; e paga a dívida utilizando a conta bancária da vítima.

Foram presos em flagrante duas mulheres e seis homens. A polícia foi acionada
a partir do recebimento de ofícios de outros estados, informando que contas bancárias de estavam sendo invadidas. “Fizemos análise de redes e descobrimos que esses movimentos bancários realmente estavam acontecendo em Imperatriz. Diante do quadro apresentado, uma equipe veio para a cidade, fato ocorrido há cerca de um mês, ocasião em que foi levantada a locação física do bando”, disse o delegado Odilardo Muniz.
Na operação policial, os acusados foram presos em plena ação, fazendo transferências, capturando dados de vítimas pela internet e realizando pagamentos de boletos. O bando agia enviando e-mails às vítimas por spam direcionado a endereço contendo malware destinado a contaminar o computador da vítima.
“A pessoa recebia um e-mail dizendo que um determinado banco pedindo atualização de dados. Com esses dados, o bando pagava boletos ou fazia transferências para contas de laranjas, para fazer saques depois”, explicou o delegado.
Nas casas dos acusados, os policiais apreenderam televisões de led, cinco barras de ouro, R$ 1.700,00 em espécie, smartphones, roupas de grife, pneus importados,  notebooks de última geração, dois veículos (um Fiat Idea e um Gol) e outros objetos.
O delegado Odilardo Muniz disse que o bando costumava viajar e se hospedar em hotéis cinco estrelas. Todos serão acusados de organização criminosa, furto qualificado mediante fraude, interceptação de telemática ilegal e violação de sigilo bancário. Somados todos esses crimes, eles podem pegar até 15 anos de prisão.