Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

80% mais tentativas de fraude desde a pré-pandemia

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

No Brasil, tentativas de fraude digital aumentaram 144% em meio ao crescente volume de transações on-line e recordes de fraudes sintéticas

São Paulo, 09 de outubro – A TransUnion (NYSE: TRU), empresa global de informação e insights, divulga seu Relatório Global sobre Tendências de Fraude Digital Omnichannel 2023, em que relata o aumento de fraudes digitais em 2022. De acordo com informações obtidas por meio da rede de inteligência global da TransUnion e de pesquisa com consumidores encomendada especificamente para o estudo, o crescimento no volume das transações digitais desde 2020 representa risco ainda maior de fraudes para pessoas e empresas em relação ao período que antecede a pandemia.

Segundo o relatório, 4,6% de todas as transações digitais realizadas globalmente por consumidores no período apresentaram suspeitas de fraude. Esse percentual está em linha com os índices apurados em 2019. No entanto, apesar de as semelhanças com o percentual entre os períodos analisados – cujo número de transações realizadas digitalmente aumentou significativamente – o volume total de tentativas de fraude digital também cresceu drasticamente. Globalmente, essas tentativas aumentaram 80% de 2019 a 2022, enquanto para transações digitais originadas no Brasil esse índice foi de 144%.

“A pandemia deixou como legado o ataque por pessoas fraudadoras a organizações e instituições que têm acesso direto a produtos ou serviços com valor monetário facilmente transferível”, diz Shai Cohen, vice-presidente sênior e chefe global de soluções de fraude da TransUnion. “Enquanto os programas de auxílio financeiro concedidos pelo governo no período pandêmico experimentaram níveis de fraude que chamam a atenção, as tendências de fraude digital apontam para setores que tiveram um crescimento significativo no engajamento digital do consumidor.”

Fraude com cartão de crédito é mais comum, mas fraudes com transferência bancária / débito  e identidade sintética estão aumentando

Tipo de fraudePorcentagem em fraude digital em 2022Mudança de volume 2019-2022
Cartão de Crédito6,5%76%
Invasão de conta16,3%81%
Roubo de identidade26,2%81%
Transferência bancária/Débito36,0%122%
Identidade Sintética45,3%132%

Fonte: TransUnion TruValidate™

As principais indústrias globalmente visadas por seus volumes de suspeitas de fraude digital são as de games e o varejo; no Brasil, o destaque é para as comunidades – a exemplo de sites de relacionamento e fóruns online – além de telecomunicações

Globalmente, as indústrias de games e varejo tiveram a maior taxa de suspeita de fraude digital em 2022, 7,5% e 7,2%, respectivamente. Estes foram seguidos por videogames (5,4%), serviços financeiros (4,2%) e comunidades (4,0%).

No entanto, a maior taxa de crescimento global desde 2019 foi observada na indústria de viagens e lazer. Este grupo viu um aumento de 117% nas suspeitas de fraude digital, à medida em que mais e mais consumidores procuravam retomar as viagens após o período de pandemia. Para transações originadas no Brasil, o setor de viagens e turismo também observou elevação significativa na suspeita de fraude digital, com aumento em 2.109% desde 2019. Os setores de logística e comunidades também experimentaram crescimento relevante nas tentativas de fraude digital, com alta de 246% e 372% ao longo do período, respectivamente.

Varejo teve a maior taxa de suspeita de fraude digital entre 2019 e 2022, mas setores como serviços financeiros e viagens e lazer estão crescendo rapidamente

Tipo de indústriaTaxa global de suspeitas de fraude digital em 2022Taxa global de suspeitas de fraude digital entre 2019–2022Taxa no Brasil de suspeitas de fraude digital entre 2019–2022
Varejo7,2%7%-69%
Vídeogames5,4%-82%-88%
Serviços financeiros4,2%39%-33%
Comunidades (sites de relacionamento, (fóruns, etc.)4,0%-8%372%
Viagens e lazer2,1%117%2109%
Telecomunicações2,1%-51%-97%
Logística1,3%63%246%

 Fonte: TransUnion TruValidate

Consumidores enfrentam regularmente fraudes em diversas plataformas de comunicação

O estudo também revelou que uma grande porcentagem de pessoas está sendo afetada por tentativas de fraude em diversos meios de comunicação. No estudo Consumer Pulse, realizado pela TransUnion em 18 países e regiões em todo o mundo, 52% dos entrevistados indicaram que foram alvo de fraude por e-mail, on-line, ligações ou mensagem de texto nos três últimos meses de 2022. Aqui no Brasil, 30% das pessoas entrevistadas disseram ter sido alvo de tentativas de fraude nesses mesmos canais no período.

“A explosão na quantidade de transações digitais, a adoção acelerada de tecnologias e o apetite crescente por acesso mais rápido a fundos e crédito levaram a um aumento nas perdas por fraude, principalmente em canais digitais”, conta Alexandre dos Reis, Head de Soluções da TransUnion Brasil. “Os consumidores esperam que as organizações protejam suas identidades e contas on-line, e as empresas que não atendem adequadamente essas preferências podem perder negócios”.

O estudo também explorou outros tipos e canais de fraude. Por exemplo, a TransUnion determinou que, embora a grande maioria (85%) das chamadas recebidas por seus clientes de call center de serviços financeiros nos EUA fossem de celulares em 2022, apenas 14% das chamadas realizadas pelos aparelhos representavam alto risco. Por outro lado, para os 3% das chamadas de call center de serviços financeiros dos EUA feitas de VoIP – Voice over Internet Protocol (Voz sobre Protocolo de Internet) –  número de telefone que não está associado a um endereço físico – 62% representava alto risco para o call center no ano passado, considerado como o canal mais arriscado.

Vazamentos de dados alimentam a Engenharia Social, gerando recorde de identidades sintéticas

O estudo também examinou o volume e a gravidade das violações de dados ao longo de 2022 e as comparou com os anos anteriores, usando dados disponíveis publicamente analisados pela TransUnion.

Os resultados mostraram que o número de violações de dados nos EUA aumentou 83% de 2020 a 2022. Além do aumento geral, a gravidade das violações também cresceu, refletida em uma elevação de 6% na pontuação de risco da TransUnion em relação a esse período.

Essas violações desempenharam um papel fundamental em ajudar a alimentar a engenharia social, com identidades sintéticas se tornando um problema recorde em 2022. Os saldos pendentes atribuídos a identidades sintéticas para financiamentos de veículos, cartões de crédito, cartões private label (emitidos por lojas de varejo) e empréstimos pessoais nos EUA atingiram o ponto mais alto já registrado pela TransUnion: US$ 1,3 bilhão no quarto trimestre de 2022 e US$ 4,6 bilhões em todo o ano.

A TransUnion chegou nessa conclusão com base na inteligência de seu conjunto de produtos de identidade e fraude que ajuda a estabelecer a confiança em todos os canais e oferece experiências eficientes ao consumidor, o TruValidate. A taxa ou a porcentagem de tentativas suspeitas de fraude digital refletem àquelas que os clientes da empresa negaram em tempo real devido a indicadores fraudulentos ou determinaram que eram fraudulentas após a revisão – em comparação com todas as transações avaliadas como fraude.

Faça o download do relatório para saber mais sobre dados específicos de países e regiões como Brasil, Estados Unidos, Canadá, Chile, Colômbia, República Dominicana, Hong Kong, Índia, Quênia, México, Namíbia, Filipinas, Porto Rico, Ruanda, África do Sul, Espanha, Reino Unido e Zâmbia.