Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Akamai abre novo data center em São Paulo

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A empresa também anuncia dois scrubbing centers operando em São Paulo e no Rio de Janeiro

A Akamai Technologies, empresa de nuvem que impulsiona e protege a vida online, anunciou sua expansão na América Latina com o lançamento de um centro de computação em São Paulo, também conhecido como data center, ampliando sua presença global, que abrange mais de 4.100 pontos de presença (PoPs) de borda em 131 países. Este data center permitirá que os clientes da América Latina acessem uma plataforma de nuvem distribuída que aproxima aplicativos e experiências dos usuários finais e combate ameaças.

Com esse desenvolvimento, a Akamai se posiciona como uma alternativa no mercado há muito dominado por provedores de hiperescala. Sua presença na região fará que as empresas aproveitem os serviços de nuvem, especialmente aqueles relacionados à streaming, jogos e comércio eletrônico, que demandam baixa latência e alto desempenho.

“Essa expansão territorial por meio de São Paulo é um aspecto fundamental da visão da Akamai para uma nuvem mais descentralizada, de baixa latência e globalmente escalável. Temos como objetivo otimizar continuamente nossos serviços como parte do Akamai Connected Cloud, uma plataforma de nuvem de borda que oferece segurança, entrega de conteúdo e computação em nuvem em uma solução integrada”, explica Claudio Baumann, Diretor da Akamai para a América Latina.

O que acontece quando a nuvem está mais próxima do usuário 

Quando a “nuvem” (computação em nuvem) está mais próxima do usuário, resulta em menor latência, ou seja, menos tempo para os dados viajarem do dispositivo do usuário para o servidor de volta. Baixa latência é crucial para aplicativos em tempo real, como videoconferência, jogos online e streaming de mídia, garantindo uma experiência mais suave para o usuário.

A proximidade física dos servidores de nuvem aos usuários permite que os aplicativos e serviços baseados na nuvem respondam mais rapidamente às solicitações dos usuários, o que significa que os aplicativos carregam mais rápido e as ações dos usuários são processados com maior agilidade, resultando em uma experiência mais responsiva e confiável. Além disso, ter servidores de nuvem próximos aos usuários também reduz o consumo de largura de banda, beneficiando aquelas com conexões de internet mais lentas e economizando nos custos de transferência de dados para empresas que usam serviços de nuvem.

Por fim, a proximidade dos data centers de nuvem pode facilitar o cumprimento das regulamentações locais relacionadas à privacidade e segurança de dados, uma vez que alguns países exigem que os dados do usuário sejam armazenados em servidores localizados dentro de suas fronteiras. Portanto, a decisão onde hospedar recursos de nuvem deve levar em consideração esses fatores, incluindo requisitos de desempenho, custos, conformidade regulatória e estratégia de negócio.

Infraestrutura tecnologia cresce no Brasil e América Latina

A implementação de novos data centers na América Latina e no Brasil oferece melhorias na infraestrutura das empresas da região. Essas iniciativas fortalecem a cibersegurança e a ciber vulnerabilidade, beneficiando tanto as empresas quanto os usuários. Como resultado, as empresas podem reduzir a latência, aprimorar a resistência a ataques cibernéticos, garantir a conformidade com regulamentações locais, otimizar custos de largura de banda e oferecer suporte a novos serviços e aplicativos. Isso não apenas melhora a segurança e a escalabilidade de dados, mas também contribui para uma experiência do usuário mais ágil e confiável.

Além disso, empresas de tecnologia como a Akamai têm investido no continente latino-americano e no Brasil porque perceberam a importância de serem ciber resilientes para atrair e reter clientes na região. Uma infraestrutura de cibersegurança adequada para prevenir ataques e responder rapidamente a incidentes pode evitar danos à reputação e financeiros para empresas de diversos setores, especialmente aquelas voltadas para o consumidor final (B2C).

Há algum tempo, a Akamai opera um scrubbing center em São Paulo e no Rio de Janeiro, sendo o centro de São Paulo o primeiro centro de proteção contra ataques cibernéticos da empresa na América Latina. Um scrubbing center é uma estação centralizada de limpeza de dados onde o tráfego da internet é analisado e o tráfego malicioso (ataques de negação de serviço, vulnerabilidade conhecidas e exploits) é removido. Esses centros desempenham um papel na defesa das empresas contra ataques cibernéticos e também na proteção contra perdas econômicas e de reputação. Ao todo, a Akamai tem centros de depuração em nuvem em 32 centros metropolitanos globais, incluindo o Brasil, oferecendo 20 TBs (terabytes por segundo) de capacidade de defesa dedicada, também conhecidos como Prolexic DDoS scrubbing centers.

“A inauguração do data center em São Paulo marca um avanço significativo na missão contínua da Akamai de fornecer soluções robustas de cibersegurança e alto desempenho não apenas na América Latina, mas em todo o mundo”, explica Baumann. “Com investimentos concretos, parcerias estratégicas e scrubbing centers em São Paulo e no Rio de Janeiro, pretendemos ser uma força motriz em cibersegurança e infraestrutura tecnológica no continente e no Brasil, beneficiando tanto as empresas quanto os usuários”, conclui ele.