Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

As razões psicológicas e contextuais de fraudes internas

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Desenvolvido pela Prosegur Research, o ‘Círculo da Fraude’ destaca ainda a importância da inteligência contextual na identificação e mitigação de práticas fraudulentas

A Prosegur Research, centro de Insight&Trends do Grupo Prosegur, acaba de publicar uma análise inovadora sobre o complexo universo da fraude interna. Desta forma, a companhia entendeu como fraude interna um ato intencional e deliberado de trabalhadores de uma empresa ou de terceiros, visando gerar lucro pessoal e/ou causar outros tipos de danos. Isso inclui, por exemplo, a manipulação ou falsificação de registros, desvio de ativos, vazamento de dados ou qualquer ação que, em última instância, afete a estabilidade econômica, operacional e de reputação, como a apropriação indevida.

O relatório “Círculo de Fraude” investiga detalhadamente possíveis motivações psicológicas e contextuais de funcionários e seus contextos, a fim de estabelecer uma cultura corporativa baseada na transparência e na confiança, de modo a mitigar e identificar práticas ilegais e fomentar a segurança corporativa.

“A inteligência contextual já não é uma opção, mas uma necessidade. Ela nos permite desvendar as complexidades por trás das ações fraudulentas, oferecendo uma visão panorâmica que transcende os limites convencionais e o desenvolvimento do ‘Círculo de Fraude’ prova o compromisso da companhia com a segurança empresarial”, informa José María Blanco, diretor da Prosegur Research.

O relatório se distancia das abordagens convencionais publicadas até então e que se mostraram reativas e limitadas, e entra em um território desconhecido, combinando o contexto externo – global e social – com o contexto interno – empresarial – para oferecer uma perspectiva holística e estratégica sobre fraude. Segundo identificou o estudo: oportunidadeincentivoracionalização e capacidade formam os quatro pilares do círculo da fraude, mas fatores externos como instabilidade econômicacorrupção e a falta de confiança nas autoridades e instituições, a aparente impunidade contribuem para a justificativa dos fatos.

O desenvolvimento do “Círculo de Fraude” é um marco na luta contra ilegalidades internas. O modelo não apenas identifica e analisa as variáveis que afetam as atividades comerciais, mas também antecipa tendências futuras, permitindo que as empresas fiquem um passo à frente na prevenção. Segundo a análise, um ambiente de negócios mais seguro e ético é possível por meio dos pilares da transparência, confiança e inteligência contextual.

A análise faz parte de uma série de pesquisas sobre cultura de segurança, com foco na promoção de uma filosofia comum nas organizações para enfrentar as transformações do mundo atual. “Com isso, a Prosegur Research não apenas reafirma seu compromisso com a proteção de pessoas e organizações, mas vai além, revelando as sombras da fraude interna e apresentando ferramentas inovadoras para fortalecer a resiliência dos negócios diante dos riscos emergentes”, completa José Maria.


Confira o estudo completo clicando aqui