Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ataque à biblioteca britânica chama a atenção

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

 

Ainda no ano passado, a Biblioteca Britânica foi vítima de um ataque hacker, que indisponibilizou mais de 170 milhões de registros em seu acervo. Apesar de ter iniciado o processo de restauração, a previsão é de que o processo completo, de seus 36 milhões de registros de livros impressos e raros, mapas, diários e partituras musicais, pode acontecer somente no final do ano.

Com o avanço das tecnologias e formas de acesso às informações, como documentos históricos, a possibilidade de ataques criminosos contra as instituições que os mantêm também passa por um aumento, devido ao entendimento de que a preciosidade desses registros é o suficiente para que seu “sequestro” valha um bom retorno financeiro.

Como explica Luiz Madeira, CEO da GWCloud“A esse tipo de ataque, é dado o nome de ‘ransomware’, onde os hackers vão atrás justamente desses dados de grande importância. O principal objetivo deles é ir atrás de empresas que não tenham uma boa segurança e sintam o golpe de terem seus dados criptografados por terceiros. Caso dê certo esse tipo de abordagem, é cobrado um resgate das vítimas, para que tudo seja devolvido da forma devida. Não é sempre que esse truque resulta em dinheiro, mas a dor de cabeça costuma ser muito grande”.

Até que os arquivos estejam completamente restaurados em seu sistema, a Biblioteca deverá solicitar que os leitores compareçam ao local pessoalmente, para checarem a disponibilidade de maneira off-line.

Por conta do ataque realizado, o local serviu apenas de leitura, fazendo com que o material fosse levado pelo próprio visitante, visto que não era possível ter acesso a nada do catálogo especializado. Para que o estrago seja totalmente revertido, o custo da operação será de £7 milhões, o que representa 40% dos recursos do órgão.

Para Madeira, a meta desse tipo de ataque é conseguir um resgate por parte da vítima. Nesse caso, em específico, o pedido foi de 600 mil libras esterlinas, número muito menor dos custos de recuperação, mas que evita que a prática seja encorajada.

“Por mais que seja um baque e traga muitos problemas, o mais indicado é que o crime não seja orquestrado com sucesso, com o pagamento do valor exigido. Assim, o caminho mais recomendável é o de maior custo, mas focado nas formas de maior defesa e de evitar que novas invasões ocorram”, complementa o executivo.

O ataque, ocorrido em 28 de outubro, fez com que o espaço se tornasse inutilizado por um tempo e ainda sofra com as consequências pelo período de um ano. Além disso, no mês seguinte ao do ataque, alguns dados de clientes e funcionários foram encontrados à venda na “dark web”, provando que o pedido de resgate não seria respeitado de forma integral.

Visando a melhoria das suas defesas, as empresas precisam passar por um processo de repaginação estrutural nesse sentido tecnológico. Para isso, é necessário entender todas as formas de ataques, muitos deles sendo dessa forma ocorrida em Londres, e saber que a velocidade da evolução dos crimes ainda é maior que a velocidade da segurança cibernética.