Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ataque atinge app de vigilância usado pela polícia brasileira

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Um ataque de hackers por enquanto anônimos deletou a base de dados de um dos principais aplicativos de vigilância do Brasil, segundo reportagem publicada no sábado pelo portal TechCrunch. As informações sobre o incidente teriam chegado ao portal por meio do coletivo DDoSecrets, detalhando os passos que levaram até a deleção dos dados. O aplicativo para Android, segundo informações obtidas pelo In_Cyber, é utilizado para uma variedade de ações de vigilância, inclusive de organismos policiais e de contra inteligência. O incidente, eventualmente, poderá prejudicar operações em andamento. Os dados, se revelados, podem prejudicar investigações policiais.

Segundo o TechCrunch, a intrusão ocorreu por meio do painel na web onte os clientes do spyware recolhem os dados capturados pelo aplicativo nos telefones de suas vítimas. Foi possível baixar todos os registros do painel, incluindo o endereço de e-mail de cada cliente que adquiriu o aplicativo. O acesso ao painel permitiu aos invasores excluir completamente os dispositivos das vítimas da rede, cortando a conexão com eles no nível do servidor para evitar que continuasse gravando dados.

O TechCrunch conta que foi localizado um cache contendo mais de 1,5 gigabytes de dados do painel. Esses dados incluíam informações sobre cada cliente, como seu endereço IP, histórico de compras, lista dos dispositivos comprometidos por cada cliente, versão do spyware executada e os tipos de dados que o spyware estava coletando. O cache não incluia o conteúdo obtido nos telefones das vítimas.