Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ataques com alta/média frequência em 64% das empresas

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A segunda edição do “Barômetro da Segurança digital”, pesquisa encomendada pela Mastercard ao Instituto Datafolha, revelou que 64% das empresas brasileiras são alvo de fraudes’ e ataques digitais com média ou alta frequência, crescimento de 7% se comparado com a primeira edição, divulgada em 2021.

A pesquisa entrevistou decisores da área de tecnologia de empresas dos setores de educação, financeiro e seguros, tecnologia e telecom, saúde e varejo e mostrou que, apesar das organizações reconhecerem a importância da cibersegurança, elas ainda não desenvolvem políticas de segurança digital e treinamento para os seus funcionários de forma aprofundada.

Os dados mostram que a cibersegurança é considerada muito importante para mais de 84% das companhias, mas não é uma prioridade no orçamento para 23% delas. Na mesma linha, apenas 35% das empresas entrevistadas possuem uma área própria de cibersegurança e somente uma em cada quatro empresas tem planejamento anual para segurança digital. Ainda assim, quando questionados sobre a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), 81% dos entrevistados responderam que a legislação trouxe benefícios para as organizações.

“O investimento em cibersegurança não deve ser encarado apenas para o cumprimento das legislações, mas também visto como uma estratégia de negócios, melhorando a experiência do cliente. Está cada vez mais fácil ter acesso às informações sobre novas tecnologias, como as baseadas em Inteligência Artificial, e os clientes querem essas inovações aplicadas no seu dia a dia. Apesar de a percepção sobre os ataques ter crescido, uma parcela considerável não das empresas ainda não prioriza a segurança digital de sua operação. É um ponto de alerta em uma sociedade cada vez mais conectada e com a população atenta à proteção de seus dados pessoais”, comenta Leonardo Linares, Vice-presidente Sênior de Produtos e Soluções da Mastercard Brasil.

Quando questionados sobre sua estratégia de segurança, 79% afirmam ter um plano de resposta a um possível ataque cibernético, mas apenas um terço fez algum tipo de teste preventivo nos três meses antecedentes à realização da pesquisa. Já em relação à composição de times, cresceu de 44% para 53% o índice de empresas com muita dificuldade para encontrar profissionais para gerir o sistema de segurança digital.

Entre os segmentos analisados, ‘finanças e seguros’ e ‘tecnologia e telecom’ são os mais preparados em cibersegurança, à frente de educação, saúde e varejo. Por isso o apoio de empresas especializadas em segurança da informação e proteção de dados é fundamental para que as organizações aumentem sua resposta a ciberataques. 

A tecnologia de cibersegurança da Mastercard

Os resultados do estudo revelaram que, apesar do aumento no número de ataques cibernéticos, muitas empresas no Brasil ainda têm dificuldades em implementar uma estratégia de segurança digital que seja robusta e holística

A cibersegurança é uma prioridade da Mastercard, que oferece soluções de proteção digital baseadas em Inteligência Artificial, para automatizar riscos cibernéticos, auxiliar processos e tomadas de decisões e ainda para validação de identidade digital. Nos últimos seis anos, a companhia investiu US$ 5 bilhões na aquisição de 15 empresas, como RiskRecon, NuData, Brighterion e Ethoca.