Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ataques de phishing aumentaram com o uso da IA

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Número de mensagens falsas criadas por ferramentas que usam o machine learning cresce mais de cinco vezes no Brasil

A Inteligência Artificial (IA) já faz parte da rotina atual das pessoas, seja no desbloqueio de celulares ou tablets usando o reconhecimento facial, no uso de navegadores e mapas online ou nos assistentes de voz e centrais de suporte automatizadas (chatbots). Frente a esse sucesso, os especialistas da Kaspersky avaliaram os pros e contras da tecnologia e alertam para o crescimento dos golpes online em 2023 e que deve aumentar para o próximo ano.

De acordo com o estudo feito pela Kaspersky, os principais usos da IA em golpes online estão relacionados a coleta de dados pessoais, incluindo dados biométricos (reconhecimento de voz, facial e impressões digitais), criação de programas maliciosos, aplicações que visam burlar medidas de segurança e em ataques de negação de serviço (da sigla DDoS e que buscam sobrecarregar um site ou plataforma online com múltiplos acessos simultâneos até que ele fique indisponível).

O relatório mostra ainda outros riscos que se destacam pelo crescimento acelerado e elevada taxa de sucesso – seja devido o desconhecimento das pessoas ou pelo excesso de informação na Internet. “Panorama de Ameaças de 2023 da Kaspersky destacou ainda uma das principais aplicações da IA: a criação de mensagens (falsas) de phishing – elas cresceram cinco vezes no Brasil e focam majoritariamente no roubo de dados financeiros. Estas ameaças sempre foram as maiores no pais, mas o uso da tecnologia para os textos de maneira automatizada permitiu a escala a novos patamares”, explica Isabel Manjarrez, analista de segurança da Kaspersky na América Latina.

Além das fraudes financeiras, a IA também é usada na criação de campanhas de difamação por meio de conteúdos de deepfake. Estes podem ser fotos ou vídeos criados por computadores para similar voz e expressões de uma pessoa. Essas ações têm grande impacto, pois a maioria dos brasileiros (66%) não sabe que isso existe e, consequentemente, não sabem (71%) reconhecer que o conteúdo é falso. Também não surpreende que essa tecnologia está sendo usada para burlar autenticações biométricas em roubos digitais.

Mas, o uso não se restringe às más práticas. Na verdade, o setor de cibersegurança é pioneiro na adoração da Inteligência Artificial. As aplicações são variadas e vão desde o monitoramento e análise de links e arquivos potencialmente maliciosos a personalização de configurações de segurança para ganho em eficiência operacional – passando também pela criação automatizada de regras de detecção (Yara).

“O uso da Inteligência Artificial facilita atividades repetitivas, como análises e criação de regras que seguem um formato padronizado, e ainda consegue gerar resultados satisfatórios em tarefas complexas se for bem treinada. Por outro lado, ela tem um papel centra na expansão dos golpes online e isso é só o começo, pois a tecnologia ainda se tornará mais acessível”, opina Isabel. “Para obter bons resultados com a Inteligência Artificial, as pessoas e empresas precisam aprender a usá-la de maneira segura e responsável – e isso vale para todas as inovações que existem ou passarão a existir”, conclui a especialista.

Para evitar ser vítima de ameaças geradas por IA, a Kaspersky recomenda:

  • Mantenha-se informado sobre as novas tecnologias e seus riscos: conheça a IA, como ela funciona e tenha em mente que já existem ameaças associadas a essa ferramenta.
  • Use sempre fontes confiáveis de informação: Lembre-se de que o analfabetismo de informações continua sendo um fator crucial para a proliferação de ameaças cibernéticas, como phishing e deepfakes.
  • Tenha bons hábitos digitais como “confie, mas verifique”: seja cauteloso e cético em relação a e-mails, mensagens de texto ou voz, chamadas, vídeos ou outras mídias que você vê ou recebe, especialmente se elas comunicam informações estranhas ou ilógicas.
  • Use soluções de segurança: Embora a proteção contra ciberataques ou golpes gerados por IA tenha apenas começado a surgir, já existem ferramentas, como o Kaspersky Premium,que protegem contra todos os tipos de ameaças, conhecidas e desconhecidas.

Para mais informações, visite o blog da Kaspersky.