Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Axur lança plataforma com IA para reduzir “ruídos” em cyber

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A Axur, empresa de cibersegurança focada em ameaças externas, que já havia lançado, em julho, um modelo de IA generativa para alertar empresas sobre golpes e fraudes na internet, agora mira sua tecnologia para os ciberataques como ransomware e vazamentos de dados. O CISOCompass utiliza uma combinação de modelos de IA para identificar ameaças cibernéticas que mais podem afetar cada empresa, gerando um relatório com direcionamentos sobre Threat Intel. Basicamente, CISOCompass lê centenas de análises e relatórios sobre ameaças cibernéticas e gera para o executivo um resumo inteligente, customizado de acordo com o que o cliente tem de infraestrutura, o setor que ele opera e seus fornecedores-chave.

“Um gerente de segurança da informação vai acordar todo dia de manhã e acessar a ferramenta, que vai dizer ‘bom dia, eu li tudo o que há de relevante em segurança da informação ontem e selecionei essas três prioridades que você precisa resolver hoje. Esses são os IoCs que você precisa bloquear, as atualizações de sistema que você precisa fazer e os stakeholders que você precisa informar’”, explica Rodrigo Alves, Head de Produto na Axur (foto).

Com o CISOCompass, é possível automatizar o processo de monitoramento de ameaças cibernéticas. A solução identifica e prioriza aquelas com maior relevância, assim, consegue extrair de forma personalizada para a empresa um sumário específico, para que medidas rápidas e mais eficientes possam ser tomadas.

“Suponha que em diversos relatórios de Threat Intel que estão sendo publicados, consta que há uma ameaça para sistemas Linux. Se o cliente utilizar o sistema, então ele será avisado sobre o risco com uma recomendação. Caso contrário, como a ameaça não afeta o cliente, conseguimos poupá-lo do trabalho de análises de inúmeros relatórios que não servirão para ele” afirma Rodrigo. Assim, a eficiência e assertividade na tomada de decisão são ainda mais otimizadas, poupando recursos e gerando redução de custos.