Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Brecha cibernética coloca em risco o maior dos mercados

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

O maior de todos os mercados do mundo é o de títulos do Tesouro dos Estados Unidos, que está avaliado em US$ 25 trilhões: um ataque de ransomware num dos operadores desse mercado na quinta-feira dia 9 de Novembro mostrou uma fragilidade antes desconhecida e um risco ao qual os operadores não estão habituados. O ataque ocorreu no ICBC Financial Services, a unidade de Nova York do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) e foi revelado pelo jornal britânico Financial Times. Esse mercado, afirma o jornal, é o maior e mais líquido e o que sustenta os preços dos ativos financeiros em todo o mundo.

Pessoas bem informadas sobre o assunto contaram ao Financial Times que o ICBC Financial Services teve de enviar um pen drive com os dados de negociações para o banco Bank of New York Mellon, onde foi auxiliado a liquidar negociações. Por causa do ataque, o ICBC teria irecebido US$ 9 bilhões de sua controladora para cobrir as negociações não liquidadas com o BNY.

“Um limite foi quebrado. Nunca vimos algo assim envolvendo um grande banco antes”, disse Marcus Murray, fundador da Truesec, uma empresa de segurança cibernética.

O setor financeiro ​​norte-americano há muito receia por um incidente que possa perturbar as conexões que permitem a negociação e a manutenção de registos nos mercados do Tesouro. O ataque mostra que os criminosos não apenas ameaçam roubar dinheiro, mas também os fluxos de dados e informações do sistema financeiro.