Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ciberataques levam empresas a buscar seguros

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

No último dia 28, a maior rede social que existe, o Facebook, sofreu um ataque cibernético de grandes proporções, com cerca de 50 milhões de usuários tendo suas informações expostas. O acontecimento ligou o sinal de alerta dentro das empresas brasileiras. “Todas as companhias que têm informações de terceiros em seu sistema, como corretoras e bancos, por exemplo, já estão procurando uma forma mais contundente de protegê-los”, comenta Leandro Freitas, superintendente de riscos financeiros da MDS Brasil, referência global em seguros, resseguros e consultoria de riscos.

“Acreditamos que a lei sancionada (a General Data Protection Regulation, de maio desse ano) vai aumentar a atenção a esse tipo de risco e o Cyber Risks será, num futuro muito próximo, uma solução cada vez mais solicitada por grandes corporações preocupadas em guardar dados de seus clientes e fornecedores”, completa. Apesar de ter partido do bloco europeu, o movimento já se reflete em terras brasileiras: no mês de agosto, o presidente Michel Temer aprovou o projeto de lei sobre a coleta e tratamento de dados pessoais no Brasil. A regulamentação, que entra em vigor no início de 2020, já funciona como uma espécie de sinal para que as empresas brasileiras procurem formas de se prevenir de ataques cibernéticos.

No entanto, a percepção de ameaças dessa natureza está em nível primário, uma vez que as consequências relacionadas a esse tipo de crime ainda são pouco conhecidas. No âmbito das seguradoras, por exemplo, a constatação dos perigos traz à tona um importante questionamento: como precificar uma apólice quando não se tem o total conhecimento dos prejuízos que os ciberataques podem proporcionar? Para Thiago Tristão, diretor de riscos empresariais da MDS Brasil, essa resposta só pode ser obtida a partir do estudo do mercado: “Todas as empresas terão que se adequar, inclusive as seguradoras. Para evitar invasões em seus sistemas e usos irregulares dos dados, as companhias precisam estudar as ameaças já constatadas no mercado até o momento e se basear nelas para elaborar planos de gerenciamento bem estruturados”, explica.

Leandro Freitas também reforça que a contratação do Seguro de Cyber Risks oferece possibilidades de respaldo que vão além da compensação financeira – como a proteção contra danos à reputação, por exemplo. “Por meio da seguradora, é possível disponibilizar um mediador para lidar com hackers e evitar o vazamento das informações, ou até mesmo trocar o servidor do sistema para evitar que os dados sejam divulgados. Em suma, a função do seguro é evitar quaisquer arranhões reputacionais à marca”, finaliza.