Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Cibercriminoso furtava contas bancárias em Goiás

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Diego Lima, em foto da polícia goiana
Diego Lima: detido em Goiás

Diego Couto Lima, goiano de São Luís de Montes Belos, foi preso em Goiânia no último final de semana passada por suspeita de pertencer a uma quadrilha que dava golpes em contas bancárias cujos dados de acesso eram obtidos por meio de phishing. Os prejuízos, segundo a polícia, estão calculados em R$ 2,5 milhões. Lima seria o “hacker” da quadrilha. Foram presos, ainda, o chefe do bando, Leônidas Lino, de 64 anos; José Onofre Caetano, que abordava os donos de empresas endividadas com o estado de Goiás e União para envolvê-las no golpe; e Jodson Gomes de Oliveira, que descobria todos os dados sobre essas empresas.
O golpe começava com uma oferta de quitação das dívidas com desconto de 70% sobre o valor. Com esse acordo, Lima invadia as contas bancárias levantando o dinheiro necessário ao pagamento dos impostos, pagava dívida e o bando recebia 30% desse valor como pagamento.
Lima foi localizado e preso em um prédio de luxo de Goiânia, onde os apartamentos custam mais de R$ 2 milhões. Segundo a polícia, ele tem carro de luxo e gastava em boates de R$ 5 mil a R$ 10 mil por noite. Lima pertence a uma família de classe média de São Luís de Montes Belos.
Leônidas Lino, irmão do jornalista e deputado federal Lino Rossi, tem seis passagens pela polícia. O deputado foi preso em 2006, por participação na Máfia dos Sanguessugas.