Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Ciberdefesa: portos americanos em risco

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Ciberdefesa: portos americanos em riscoO Departamento de Segurança Interna (Homeland Security), a Guarda Costeira e a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências estão mal no relatório do General Accounting Office (GAO) sobre ciberdefesa marítima nos Estados Unidos. Segundo um relatório de 54 páginas do GAO, a resposta às solicitações para melhorar a cibersegurança das redes de gestão de portos de embarque, por exemplo, tem sido limitada. O relatório diz que a Guarda Costeira e a FEMA cobriram bem a segurança física nos portos, mas avaliações de risco ainda precisam ser realizadas para determinar as vulnerabilidades críticas e conseqüências de invasões e ciberataques. “Os funcionários da Guarda Costeira afirmaram que pretendem realizar tal avaliação no futuro, mas não fornecem detalhes para mostrar como iriam abordar a segurança cibernética”, disse o GAO. “Até que a Guarda Costeira complete uma avaliação de riscos cibernéticos no ambiente marítimo, a capacidade das partes interessadas para planejar adequadamente e alocar recursos para proteger portos e outras instalações marítimas será limitada.” Da Guarda Costeira é esperado que atualize sua orientação sobre cibersegurança este ano, mas o GAO adverte que sem uma avaliação de risco não é provável que haja deficiências na proteção de sistemas críticos, bem como no compartilhamento das informações sobre ameaças.

O relatório está em

http://www.gao.gov/assets/670/663828.pdf