Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Cibersegurança: hackers estão vencendo

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

hackers-estao-vencendoOs hackers estão muito mais avançados do que os profissionais pagos para detê-los. Essa é uma das conclusões de uma pesquisa que a consultoria PwC (a Pricewaterhouse Coopers) publicou hoje nos Estados Unidos, com dados levantados entre funcionários das agências federais, policiais e executivos das maiores empresas do país (todas da lista da Fortune 500). Nada menos do que 75% dos entrevistados da “12a Pesquisa Anual de Tendências do Cibercrime” admitiram ter detectado uma falha de segurança nos 12 meses anteriores, e um número médio de 135 invasões em cada organização. Pior ainda, a pesquisa mostrou que em 28% dos casos as invasões haviam sido feitas por pessoas da própria organização ou com a ajuda delas, fornecedores, prestadores de serviço ou ex-funcionários – em outras palavras, gente com acesso à rede da empresa.

Os cinco métodos de ataque mais utilizados informados na pesquisa foram: malware, phishing, interrupção de rede, spyware e ataques de negação de serviço (DoS ou DDoS). “Apesar dos substanciais investimentos em tecnologias de cibersegurança, os cibercriminosos continuam conseguindo descobrir como contornar essas tecnologias para obter informações que possam ser transformadas em dinheiro” disse Ed Lowery, chefe da divisão de investigação do serviço secreto. Ele acrescentoui em seu comunicado que as empresas e o governo precisam usar uma abordagem totalmente diferente em cibersegurança, que vai muito além do antivírus, treinando melhor seus funcionários e prestadores de serviço e tornando os processos mais protegidos. A pesquisa foi feita pela PwC em conjunto com o serviço secreto, a Cert da universidade Carnegie Mellon e a revista CSO.