Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Contra fraudes online, Horus Group lança o Smart BPO

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Solução consegue fornecer insights e evitar que operações legítimas sejam barradas, aprimorando a experiência do cliente

O Brasil recebe anualmente 1,9 milhão de tentativas de fraude, de acordo com dados recentes do Serasa Experian. O cenário já melhorou em relação a outros anos, mas ainda causa ‘dor de cabeça’ tanto ao consumidor quanto aos lojistas, que precisam de soluções para evitar esse cenário. Além disso, nem toda operação apontada como fraude é realmente golpe. Segundo a Horus Group, empresa especialista em análise de fraude, apenas 30% das compras que chegam para análise manual são realmente transações ilícitas, os outros 70% são os chamados ‘falsos positivos’.

As empresas de e-commerce gastam uma média 10% de suas receitas no gerenciamento de fraude de pagamento, segundo o Global Fraud Report 2022 da Cybersource. Outro dado relevante é que 48% buscam reduzir sua dependência do processo manual de análise e outros 40% veem como uma forma de melhorar seus processos internos de aprovação automática.

A pouca assertividade na identificação de casos ilícitos pode causar sérios prejuízos à reputação do negócio e ao relacionamento com os clientes. Foi com essa dor em mente, unida aos mais de 16 anos de expertise no mercado, que a Horus Group, empresa especializada em avaliação de risco de fraude, lançou o Smart BPO, um produto baseado em inteligência de dados que pretende ajudar seus clientes a identificar melhor o comportamento do falso positivo, ou seja, do bom pagador, e desta forma aumentar a eficiência no controle de fraudes em transações financeiras. “Vamos focar na inteligência de dados para ajudar nossos clientes a retroalimentarem e melhorarem a eficiência de seus próprios sistemas de alerta”, explica Eduardo Daghum, CEO da Horus.


A solução utiliza a inteligência de dados e BI (business intelligence) para definir um padrão de comportamento de alertas com melhor qualidade e diminuir o número de análises. O produto faz a combinação com uma avaliação qualificada para obter os melhores resultados; ou seja, a Horus passa a ser um BPO com inteligência de dados. “Isso possibilita aos clientes fornecer uma melhor experiência para o consumidor final, além do aumento de receita e redução de custos operacionais. Queremos que nos enviem para análise manual os casos que realmente necessitem a nossa tomada de ação humana”, acrescenta Eduardo.

Segundo o CEO, um dos pontos de maior destaque é a redução de custos para os parceiros, que não aumentam os gastos e nem sofrem prejuízos com operações barradas de bons pagadores. “Não queremos que nossos clientes tenham custos desnecessários, mesmo que isso possa reduzir a receita que temos com eles. Nossa prioridade é gerar valor e, desta forma, fidelizá-los”, inclui.


Ao apertar os controles de fraude, as companhias devem ser capazes de oferecer uma experiência sem atrito. Para explicar melhor, significa que nenhum aspecto deve causar insatisfação durante o checkout, por exemplo, podendo resultar na desistência da compra. O ideal é que o usuário bem intencionado nunca seja barrado na conclusão de uma jornada digital, o que pode provocar uma barreira em relação à marca nas próximas visitas. “Por isso, gerar feedbacks recorrentes sobre o comportamento dos falsos positivos vai ajudar a garantir um melhor resultado”, finaliza Eduardo.