Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Dificuldades de líderes na proteção de negócios

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Dificuldades de líderes na proteção de negóciosNoventa por cento dos CIOS e CTOS acreditam que o trabalho de manter suas empresas seguras está se tornando cada vez mais difícil de acordo com a nova pesquisa da Fortinet®, líder mundial em segurança de rede de alto desempenho.

O estudo contou com respostas de profissionais de TI do Brasil, Colômbia e México e os resultados mostraram certas semelhanças com descobertas globais.

A grave pressão das diretorias para deixar as empresas mais seguras, que cresceu mais de um terço nos últimos 12 meses, tornando a segurança um fator primordial e uma das principais considerações em relação a outras iniciativas de negócios. Este e outros resultados vêm de uma pesquisa independente encomendada pela Fortinet de mais de 1.600 tomadores de decisões de TI (ITDMs), em grande parte, a partir de mais de 500 organizações de trabalhadores em todo o mundo. Todos os entrevistados foram adquiridos a partir do painel on-line da Lightspeed GMI, uma empresa de pesquisa de mercado independente.

Os destaques da pesquisa no Brasil foram:

–          Dentre os tomadores de decisão de TI que registraram sofrer maior pressão, 63% admitem abandonar ou adiar pelo menos uma nova iniciativa de negócios por causa de preocupações de segurança de TI. As novas demandas de tecnologia emergente, como a internet das coisas (IOT) e biometrias (97%), assim como a mobilidade dos empregados /BYOD e a crescente complexidade de ameaças (ambos 95%) representam o maior desafio para os ITDMs com o objetivo de suas organizações seguras. As respostas brasileiras são mais altas do que as médias percentuais globais, que são de 88% para ambas variáveis.

–          A maioria dos tomadores de decisão já sofreu algum tipo de ataque, aumentando a preocupação com a privacidade dos dados e com iniciativas de proteção de Big Data em 94% para ambos; em grande parte dos casos, isso significou novos investimentos em segurança de TI. Respostas brasileiras acerca das iniciativas de proteção de Big Data foram maiores do que a média global de 84%.

Privacidade de dados e segurança de Big Data aumentam gastos As questões de alto perfil que cercam a privacidade de dados estão gerando atitudes, 94% dos ITDMs brasileiros pretendem mudar sua visão sobre estratégia de segurança de TI em resposta a isso. Destes, 59% estão dispostos a investir mais dinheiro em recursos para enfrentar o desafio, com 41% preferindo repensar a estratégia existente.

Enquanto isso, Big Data e análise de dados foram citados por 89% dos entrevistados como condutores de mudanças para a estratégia de segurança de TI, com 50% deles planejando investimentos.

Os setores da indústria com maior predisposição para investir em segurança de TI no Brasil foram o setor público (70%), serviços financeiros (67%) e o de telecomunicações / tecnologia (63%). A pesquisa também apontou que grandes organizações possuem maior tendência a investir.

Quando perguntados se eles tinham recebido recursos humanos e financeiros suficientes para a segurança de TI nos últimos 12 meses, 89% dos ITDMs brasileiros disseram que sim, mesmo percentual que responder ser muito provável ter recursos suficientes para os próximos 12 meses.

Resultados mostram necessidade de elasticidade cibernética

“Com a segurança de TI na pauta das empresas, este e outros desafios estão claramente adicionando peso sobre os ombros de profissionais de TI e questionando a capacidade de algumas organizações em “explorar inovações mantendo a segurança”, disse John Maddison, vice-presidente  de produtos de marketing da Fortinet. “Estas organizações devem agir agora para resolver questões como o impacto do crescente ambiente de ameaças e o maior controle sobre a segurança de TI, reavaliando seus objetivos para garantir o equilíbrio certo e alcançar a resistência em face de ameaças cibernéticas”.

“As boas notícias são que muitas empresas estão se sentindo bem equipadas com recursos financeiros e humanos para os desafios de segurança de TI que surgirem pela frente, mas para isso apontam para novas estratégias inteligentes e mais investimento em tecnologias de segurança”.

O censo de 2014 da Fortinet foi um exercício de pesquisa conduzida em nome da Fortinet, pela empresa de pesquisa de mercado independente Lightspeed GMI. A pesquisa envolveu 1.610 administradores de TI qualificados – predominantemente CIOs, CTOs, diretores de TI e chefes de TI – em grande parte de organizações com mais de 500 funcionários **.

15 países participaram da pesquisa: Austrália, Brasil, Canadá, China, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Coreia, México, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

*8% dos participantes vieram de organizações de 100 a 500 funcionários.