Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

e-Safer migra aplicações do SOC para a Oracle Cloud

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Ao utilizar a nova estrutura em nuvem, a empresa também investe em ambientes segregados e no controle dos dados para atender à GDPR e LGPD

A e-Safer, fornecedora de tecnologias e serviços para cibersegurança, migrou suas aplicações on premise utilizadas no seu Centro de Operações de Segurança (SOC) para a Oracle Cloud Infrastructure (OCI) para aumentar a segurança e promover a segregação de cada ambiente de seus clientes.

“Fundada há 12 anos, a e-Safer oferece soluções e serviços para apoiar seus clientes na redução de riscos de ataques cibernéticos. Nos últimos anos, a empresa passou a investir na oferta de SOC gerenciado ao mercado, o que demandou a necessidade de migrar algumas de suas soluções de segurança para a nuvem para obter maior escalabilidade para o seu crescimento.”

A empresa escolheu o ambiente Oracle Cloud Infrastructure (OCI) para garantir a previsibilidade sobre a localização dos dados. A empresa contou com o apoio da equipe da Oracle para a definição do projeto. “O fator custo também é um ponto importante a ser considerado, uma vez que o modelo de cobrança é baseado apenas no que é consumido, permitindo a previsibilidade dos nossos gastos”, comenta Eder Souza, diretor de Tecnologia & Operações, e-Safer.

Ao garantir a exata localização dos dados sensíveis dos seus clientes, a migração para Oracle Cloud Infrastructure irá facilitar o atendimento à GDPR e LGPD, que tratam das legislações de proteção de dados pessoais. “A segregação dos ambientes de SOC para nossos clientes passa a contar com uma estrutura para serviços e elementos de comunicação isolados, o que permite que os dados e os workloads, que são utilizados para processamento das informações, sejam  individualizados por cliente, como as principais normas de segurança recomendam.”, acrescenta Eder Souza.