Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Empresas e governo despreparados para guerra cibernética

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Empresas e governo despreparados para guerra cibernética
Rodrigo Fragola, CEO da Aker

“As empresas brasileiras se encontram tão vulneráveis quanto os órgãos de Governo, em relação à Segurança Digital, e precisam encarar esse problema com o mesmo nível de preocupação que hoje mobiliza o exército e as forças de inteligência do Estado”.
A afirmação é do especialista em guerra cibernética e Segurança Digital Rodrigo Fragola, que preside a empresa nacional de segurança Aker Security Solutions. Com sede em Brasília e cerca de 200 parceiros no País, a Aker é uma das seis empresas brasileiras que já receberam a credencial “Certics”, criada pelo Governo Federal para atestar a nacionalidade desse tipo de tecnologia. No início do mês de agosto, a Aker passou também a ser a primeira fabricante nacional de sistemas de proteção (Firewall UTM) a figurar no exigente “Quadrante Mágico” da consultoria global Gartner.
Sob a rubrica “Guerra Cibernética: Espionagem Digital e a Importância da Indústria Brasileira”, Rodrigo Fragola defendeu seus pontos de vista em palestra para uma plateia de gestores de segurança da informação, especialistas em defesa e “hackers éticos” durante o evento Secure Brasil, dia 26, no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo.
Durante a apresentação, Fragola fez uma análise mostrando de que modo o mundo está organizado em relação à espionagem eletrônica, seus atores, ferramentas eletrônicas e políticas utilizadas. Além disso, abordou o posicionamento do Brasil nesse contexto e explicou como essa questão influencia a economia e a política nacionais e a vida privada do cidadão brasileiro.
“É crucial que as empresas avaliem se estão realmente precavidas contra o arsenal de ferramentas utilizadas pelo cibercrime e pela quebra ilícita de sigilo. Existe um plano eficaz de segurança? As tecnologias de proteção estão sendo utilizadas corretamente e são suficientemente elaboradas (e independentes de interesses externos) para resistir à crescente sofisticação dos ataques?”, são algumas das questões apresentadas pelo Presidente da Aker.