Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Estudo aponta os principais desafios do Brasil em maturidade digital

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A pesquisa também reforça os impactos que a pandemia trouxe para o avanço da tecnologia, além do uso de dados, IoT e a junção das iniciativas públicas e privadas para acelerar o desenvolvimento

Setembro de 2023 – A EY, uma das maiores consultorias e auditorias do mundo, acaba de lançar o “Connected Citizens”, um estudo global que, na edição deste ano, traz um recorte sobre a realidade brasileira, principalmente sobre desenvolvimento tecnológico, cidades inteligentes, dados, conectividade e mobilidade. Ao todo, a pesquisa ouviu mais de 12 mil pessoas em 5 países: Brasil, Austrália, Índia, Reino Unido e EUA.

Trazendo para a realidade local, o país vem tendo um progresso significativo por meio de uma série de iniciativas digitais em transporte, saúde, assistência social, segurança pública e outros serviços, tanto que o Brasil subiu da 54ª para a 49ª posição no ranking global de governo eletrônico da ONU. Também melhorou a classificação no indicador nacional de serviços online de 21 para 11 em 2022 e São Paulo ocupa a 17ª posição globalmente no ranking de serviços online locais.
 

Mas ainda não é o suficiente e, pensando nisso, a pesquisa também aponta seis desafios que o Brasil precisa superar para melhorar a maturidade digital: Cobertura da infraestrutura digital: algumas regiões do Brasil ainda carecem de conectividade de internet confiável; baixa confiança do público no governo: 36% da população brasileira confia em seu governo central, bem abaixo da média da OCDE de 51%; Preocupações com privacidade e segurança de dados: apenas 42% se sentem confortáveis em compartilhar seus dados pessoais online para acessar serviços governamentais; enquanto 32% estão confortáveis com o compartilhamento de seus dados entre organizações governamentais; continuação da divisão digital: 23% da população brasileira não tinha acesso à internet em 2022; falta de identificação digital única: cerca de um terço dos brasileiros (32%) diz não se sentir confortável em ter uma única identidade digital e falta de habilidades e competências digitais: organizações governamentais brasileiras, como outras ao redor do mundo, enfrentam escassez de talentos digitais
 

“O Brasil difere de alguns dos outros países onde realizamos a pesquisa devido à enorme escala do país e às enormes diferenças geográficas, socioeconômicas e culturais entre as regiões: ‘há muitos Brasis dentro do Brasil’. De um modo geral, houve aceitação de que o digital é o futuro, mas também uma sensação de que muitos dos avanços discutidos nas deliberações estão longe da realidade das necessidades de hoje”, reflete Luiz Sales, Sócio da EY – Technology Consulting da EY Brasil.

Em resumo, o estudo indica que os brasileiros entendem que a digitalização é o futuro e ajudará a impulsionar o desenvolvimento do país, mas estão céticos sobre a prontidão para a mudança. E, nos cinco países analisados, a pesquisa destacou algumas prioridades críticas para os governos construírem confiança e aumentarem a aceitação da transformação digital, a fim de oferecer uma experiência cidadã do século XXI. E são elas: permitir a prestação de serviços integrados, eliminar TI em silos para impulsionar a interoperabilidade, serviços de design em torno do usuário final, acelerar o compartilhamento de dados, otimizar o uso do financiamento, promover a transformação da força de trabalho, promover uma forte liderança digital e fornecer serviços digitalizados equitativos para todos.

Realidade brasileira

“Os brasileiros entrevistados veem como prioridade melhorar os serviços, a infraestrutura e a capacidade existentes, além de alcançar uma conectividade mais equitativa para ampliar a inclusão digital, com foco em iniciativas menores e mais simples, que forneceriam uma base para a expansão para serviços mais sofisticados”, afirma Sales.
 

Reforçando esse ponto, 38% dos participantes da pesquisa acreditam que fornecer melhor acesso à Internet e computadores deveria ser uma das principais prioridades do governo. E a maioria – 68% – diz que faria um treinamento do governo para melhorar suas habilidades digitais, se disponível.
 

A pesquisa também mostra como a pandemia ampliou a importância da tecnologia, mas os governos ainda ficam atrás do setor privado. 60% dos brasileiros entrevistados acreditam que a pandemia do COVID-19 aumentou o uso da tecnologia no dia-a-dia, 71% acredita que a tecnologia torna a vida melhor e 78% acha que essa tecnologia será necessária para resolver problemas futuros. “A pandemia mudou a forma das pessoas interagirem entre si, e principalmente impulsionou o uso da tecnologia nos mais diferentes setores. Esse é um comportamento que veio pra ficar e se intensificar”, explica Luiz.

O estudo indica que o setor público ainda fica atrás em termos de uso de serviços digitais: 71% no uso da internet para fazer compras, 51% apontaram o uso da internet para administrar as finanças e 31% o uso da internet para acessar os serviços do governo.


“É importante frisar que, além da mobilidade, por exemplo, a integração de dados e dispositivos também pode beneficiar a segurança pública ao identificar placas suspeitas e rostos de criminosos”, salienta Sales.
 

A mobilidade ainda é uma questão particular no Brasil, que sofre com superlotação, longas esperas e tempos de deslocamento. Sem contar que, os grupos sociais menos privilegiados são os que mais sofrem, pois tendem a viver mais longe do trabalho, da educação, da saúde, do lazer e da cultura.
 

Segundo Luiz, “para mudar isso, o uso da tecnologia de forma eficaz é uma saída para melhorar a experiência da sociedade. São Paulo, por exemplo, entrega informações de status aos passageiros via web e smartphones, aumentando a confiabilidade do serviço de ônibus em 30%. Usando a IoT, a cidade também está coletando dados de várias fontes para fornecer aos gerentes de transporte uma imagem em tempo real da localização dos ônibus, capacidade dos veículos e o número de passageiros que embarca em cada parada”.
 

O executivo ainda completa que o uso de tecnologias já vem sendo testado em outras capitais. “Os sistemas de transporte inteligentes da cidade de Curitiba geram planos de tráfego dinâmicos que conseguem antecipar o congestionamento e estabelecer caminhos alternativos. E em Belo Horizonte, onde os ônibus frequentemente sofrem com superlotação, os padrões de congestionamento são rastreados, permitindo que as rotas comerciais sejam reprogramadas em curto prazo para atender à demanda”. Dessa forma, o tema exige uma integração entre iniciativa pública e privada para desenvolver e adotar as melhores soluções tecnológicas para aumentar a eficiência para a sociedade.