Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Estudo mostra aumento nos investimentos em resiliência cibernética no Brasil

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Segundo estudo, a perspectiva de crescimento dos investimentos em resiliência cibernética no país será de 12,4% no ano para garantir a segurança e resiliência nos esforços de modernização

São Paulo, 20 de julho de 2023 – Um estudo recente da IDC, patrocinado pela Kyndryl e Microsoft, mostra que os ataques cibernéticos no Brasil estão aumentando e levando as empresas a se precaverem e protegerem seus negócios para garantir a manutenção de suas operações, à medida que avançam em suas jornadas de modernização e inovação.

O IDC Vendor Spotlight, “A busca pela resiliência cibernética em meio às complexidades digitais”, patrocinado pela Kyndryl e pela Microsoft e elaborado pela IDC, mostra que os avanços das empresas em direção à modernização de suas infraestruturas de TI e ao intensivo uso de dados são prioridade[1], o que leva a uma atenção elevada à segurança da informação e continuidade dos negócios. Os desafios giram em torno da capacidade de adaptação e recuperação de eventos adversos, englobando medidas preventivas, detecção e resposta a ataques. Em 2023, a IDC aponta que os investimentos em resiliência cibernética crescerão 12,4% no Brasil[2].

O uso mais acentuado de ambientes híbridos e multicloud, junto com a adoção do trabalho remoto, favoreceram o aumento da superfície disponível para ataques maliciosos. Dados mostram um crescimento acelerado na adoção de nuvens públicas pelas empresas com seus planos de modernização. Para 2023, a previsão segue equiparável ao histórico dos últimos anos, com média superior a 30%. A digitalização dos serviços eleva a segurança cibernética ao nível de risco de negócios colocando a resiliência cibernética como um item prioritário, não apenas dos decisores de TI mas dos conselhos administrativos.

A perspectiva de crescimento nos investimentos em Segurança no Brasil mostra números expressivos para Software, Hardware e Serviços de segurança, mas a principal alavanca de crescimento será Software, com taxa de crescimento anual composta na casa dos 20% entre 2022 e 2026[3].

Além dos fatores técnicos, as empresas também focam no desenvolvimento de uma cultura de divulgação de informação e treinamento recorrente para todas as suas equipes, independentemente do nível de utilização das ferramentas tecnológicas. O intuito é conscientizar sobre o uso adequado de devices corporativos ou não, bem como atentar para a confidencialidade das informações.

“As empresas estão buscando modernizar seus ambientes de infraestrutura e investimentos em segurança e resiliência se tornam cada vez mais essenciais. Os números mostram uma jornada tecnológica e cultural com resultados crescentes, ainda que não imediatos. Em seus projetos, as organizações buscam a resiliência digital de forma ampla em relação às operações de campo, logística, produção, atendimento ao público e comunicação com stakeholders de forma geral”, afirma Luiz Fernando Monteiro Francisco, Analista Sênior de Serviços de TI, IDC Brasil.

No contexto atual, a pesquisa ainda aponta para a necessidade de apoio de parceiros especializados que tenham condições de orientar as empresas em suas jornadas de transformação digital. Cerca de 20% das receitas atuais são provenientes de produtos e serviços digitais e a perspectiva é de um salto considerável, ultrapassando os 30% em 2026.

“As empresas seguem com suas jornadas de transformação digital e esforços para modernizarem sua infraestrutura. Ao mesmo tempo, os ataques cibernéticos em todos os setores estão aumentando exponencialmente. O imperativo hoje é identificar, proteger, detectar, responder e restaurar as operações”, diz Maurício Suga, Líder de Segurança e Resiliência da Kyndryl Brasil. “E as empresas, muitas vezes, não tem os skills necessários para esta missão. Em outras palavras, isso significa que é necessário contar com parceiros de tecnologia para agir não apenas de forma proativa e reativa às ameaças, mas também de forma a estar apto para garantir a possibilidade de desfazer os danos causados por violações de segurança e interrupções de serviço,” complementa Suga.

“Todas as organizações precisam de um novo modelo de segurança que se adapte mais efetivamente à complexidade do ambiente moderno, abrace o local de trabalho híbrido e proteja pessoas, dispositivos, aplicativos e dados onde quer que estejam localizados. Contar com parceiros preparados para apoiá-los nas suas jornadas de segurança cibernética, por meio de uma abordagem de Confiança Zero, é fundamental”, afirmou Danni Mnitentag, Vice-Presidente de Parceiros/Canais na Microsoft Brasil.

Kyndryl e Microsoft estabeleceram recentemente um Centro de Excelência na América Latina com o objetivo de ajudar as empresas em suas jornadas de transformação digital. Este Centro reúne equipes multidisciplinares que combinam a experiência da Kyndryl em modernização e gerenciamento de sistemas de missão crítica com as soluções da Microsoft para co-criar ativos replicáveis, realizar provas de conceitos e adotar as melhores práticas de inovação em escala.