Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Falha do WhatsApp permite alterar conversas

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Os pesquisadores Dikla Barda, Roman Zaikin e Oded Vanunu, do laboratório da Check Point em Israel, descobriram uma vulnerabilidade no WhatsApp que permite interceptar e manipular mensagens de uma conversa em grupo ou privada. Quem consegue fazer isso fica numa posição de imenso poder, inclusive para criar e distribuir informações incorretas. Em outras palavras, fake news.

São conhecidos por enquanto três tipos de ataques: 1) mudar a resposta de alguém, escrevendo em nome daquela pessoa; 2) criar uma mensagem que parece ter vindo de uma pessoa que nem faz parte do grupo; 3) enviar a um membro de um grupo mensagem que parece do grupo, mas não é.

Oded Vanunu, chefe de Pesquisas de Vulnerabilidade da Check Point, acha que “devido à prevalência do WhatsApp entre consumidores, empresas e agências governamentais, não é surpresa que hackers vejam o aplicativo como uma oportunidade excelente para possíveis fraudes. Como um dos principais canais de comunicação disponíveis atualmente, o WhatsApp é usado para conversas confidenciais, desde informações corporativas e governamentais confidenciais até informações criminais que podem ser usadas em um tribunal. ”

Até fevereiro deste ano o WhatsApp tinha 1,5 bilhão de usuários, mais de um bilhão de grupos e 65 bilhões de mensagens enviadas todos os dias.

Assista aqui ao vídeo para ver como é feita a falsificação https://youtu.be/rtSFaHPA0C4

Os detalhes técnicos da vulnerabilidade podem ser lidos no blog da Check Point