Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

FireEye: 181 dias de APT

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

FireEye: 181 dias de APTA FireEye lançou o Relatório Regional de Ameaças Avançadas na América Latina, que detalha as atividades maliciosas capturadas pela FireEye Dynamic Threat Intelligence™ (DTI) Cloud no primeiro semestre de 2014. O relatório revela que os atores de ameaça estão aumentando em uma população cada vez mais conectada à internet.
Os setores de Produtos Químicos, Manufatura e Mineração foram os mais atacados, com 34% do total, mostrando um comportamento diferente do resto do mundo, que tem a indústria de Alta Tecnologia como principal alvo.

Como comparação, enquanto o número de alertas de APT mundial para Química/Manufatura/Mineração não chegou a dez mil, na América Latina atingiu quase 35 mil. O comportamento desproporcional pode ser explicado pela grande importância dos setores na região. Em 2012, as minas da América Latina foram responsáveis por 22%, 20% e 46% das saídas totais de minério de ferro, ouro e cobre do mundo, respectivamente.

“A América Latina é um alvo importante para hackers que tentam obter informações sobre tecnologias proprietárias, processos e valores que possam oferecer vantagens em transações comerciais”, diz Robert Freeman, diretor sênior da América Latina para a FireEye. “O interesse em alvos do setor de indústrias Químicas, Manufatura e Mineração é único na América Latina, comparando com o setor de alta tecnologia que é o mais atacado entre nossos clientes do mundo todo.”

O relatório foi baseado em dados reunidos em todo mundo a partir de mais de 2,7 milhões de sessões únicas de Comando e Controle (CnC). O Relatório de Ameaças Avançadas fornece informações sobre os países da América Latina monitorados pela FireEye, incluindo Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guatemala, México, Peru e Porto Rico. Os números mostram detalhes profundos sobre os ataques cibernéticos que passaram por métodos de defesa tradicionais.

Os principais dados recolhidos pela FireEye foram:
9 famílias únicas de malware de APT
32.339 sessões de Comando e Controle (CnC) únicas
11 países hospedando infraestrutura de CnC
16 verticais industriais afetados

Os verticais mais atacados na América Latina foram (porcentagem dos ataques totais na região):
34% Produtos Químicos/Manufatura/Mineração
14% Serviços/Consultoria/Revenda de Valor Agregado
12% Governo: Estadual e Local
12% Serviços Financeiros

Cibercriminosos com motivação financeira também se aproveitaram de grandes eventos esportivos, como a Copa do Mundo, para realizar fraudes visando informações pessoais ou financeiras das pessoas. O cenário esperado para as Olimpíadas de 2016 não é diferente.

Para o baixar o Relatório Regional de Ameaças Avançadas na América Latina completo em português, clique aqui.

Para baixar o infográfico em alta resolução, clique aqui.