Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Golpe do galã via internet faz vítima em Goiás

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

 

Golpe do galã via internet faz vítima em Goiás
O criminoso usou a foto
de um político da Sérvia como se fosse a sua

Uma mulher de Goiás caiu no conto do “galã” da internet e quase perdeu R$ 10 mil. O dinheiro havia sido pedido como transferência para uma conta de uma agência bancária em Suzano (SP). Em tese o dinheiro iria para um homem pelo qual ela se apaixonou via Internet. O golpe é simples e velho mas continua fazendo vítimas no Brasil, explica Roger Souza, especialista em Segurança da Informação que teve acesso a alguns detalhes do caso: homens buscam e encontram mulheres de seu interesse nas redes sociais, avaliando hábitos e costumes das vítimas. Na verdade querem descobrir se elas têm dinheiro. Aproximam-se, conversam num português geralmente traduzido em computador, dizem que vivem em outro país. Depois, contam histórias mirabolantes de aventuras em guerras, de desejo de encontrá-las. Quando elas se apaixonam, eles inventam um problema que precisa ser resolvido com dinheiro. Apaixonadas, elas mandam o dinheiro para uma conta bancária de um banco brasileiro. Em seguida, eles somem.

A mulher de Goiás que caiu no golpe apaixonou-se por um homem que se identificava como George B. e utilizava um celular com o código de área do Reino Unido. Na comunicação feita por WhatsApp, a foto do perfil é de um homem de cabelos brancos, à frente de uma bandeira não identificável. Na verdade, é a foto de Dragan Šutanovac, um político da Sérvia, atual líder do Partido Democrata e ex-ministro da Defesa. A foto foi obtida de uma edição do jornal Nezavisne, um diário da capital, Belgrado. No entanto, o número de telefone do Reino Unido que o bandido utilizava foi substituído por um número de São Paulo capital assim que ele fez o pedido de dinheiro. Esse atacante envia diferentes contas de bancos para a vítima, mas sempre os nomes e CPFs correspondem a pessoas que moram na região metropolitana de São Paulo.

O golpe foi evitado porque a vítima contratou um investigador particular depois de desconfiar do pedido de dinheiro.