Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Intrusão em fornecedor expõe toda a polícia da Inglaterra

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A polícia inglesa está em alerta máximo desde a noite de sábado dia 26 de Agosto: houve uma violação nos ativos de um prestador de serviços, que pode ter exposto dados de todos os 47 mil funcionários da corporação. Todos já foram notificados sobre a possível exposição de suas fotografias, nomes e cargos. O fornecedor é responsável pela impressão dos crachás e dos distintivos para todos os policiais. Rick Prior, vice-presidente da Federação da Polícia Metropolitana, disse que qualquer possível vazamento “causará incrível preocupação e raiva aos colegas”.

A notícia foi dada pelo jornal The Sun on Sunday. A Scotland Yard informou que está agora trabalhando com a empresa para entender a violação de segurança. De acordo com um porta-voz, não foi possível dizer quando ocorreu a violação ou quantos funcionários poderiam ser afetados. O porta-voz acrescentou que a empresa não tinha informações pessoais como endereços, números de telefone ou dados financeiros.

Medidas de segurança foram tomadas pela polícia e o assunto informado à Agência Nacional do Crime. O Gabinete do Comissário de Informação também está ciente, informou o porta-voz. O Sun informou que a Agência Nacional do Crime foi chamada em meio a temores de que terroristas ou gangues organizadas pudessem usar os dados roubados. Os chefes do Met Police Service também enviaram uma mensagem dizendo aos seus funcionários que “permanecerem vigilantes”.

Segue-se a uma admissão este mês pelo Serviço de Polícia da Irlanda do Norte (PSNI) de que os dados pessoais de todos os membros em exercício foram publicados erroneamente em resposta a um pedido de Liberdade de Informação (FOI).

Os detalhes de cerca de 10.000 oficiais e funcionários da PSNI incluíam o sobrenome e a primeira inicial de cada funcionário, seu posto ou grau, onde estavam baseados e a unidade em que trabalhavam.

O erro ocorre meses depois de o nível de ameaça terrorista na província controlada pelo Reino Unido ter aumentado para “grave” em resposta a uma tentativa de assassinato de um oficial superior da polícia por republicanos dissidentes.

Depois da violação da PSNI ter sido revelada, a polícia de Norfolk e Suffolk também anunciou que os dados pessoais de mais de 1.000 pessoas – incluindo vítimas de crimes – foram incluídos noutra resposta da FOI.