Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Kit israelense domina Wi-Fi

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Soldado Israelense utilizando o Piranha
Soldado Israelense utilizando o Piranha

A empresa israelense Jenovice Cyber ​​Labs está comercializando um produto para localizar e interceptar comunicação em Wi-Fi, podendo ser operado remotamente de qualquer lugar do mundo. Batizado com o nome de Piranha, pode operar de uma distância de até 700 metros quando usado com um amplificador externo. Uma pessoa em campo irá transportar e colocar o dispositivo dentro do alcance do Wi-Fi, enquanto um operador remoto pode controlar a ação, interferindo na comunicação a partir de qualquer local, via Internet.

A indústria de interceptação Wi-Fi é mais competitiva do que nunca, e várias empresas israelenses comercializam produtos que os governos podem usar para entrar em redes sem fio para fins de vigilância e ataques cibernéticos. O Piranha explora as vulnerabilidades nas redes Wi-Fi, podendo conectar um atacante até com 50 dispositivos Piranha ao mesmo tempo. Ele permite a vigilância e ataques de man-in-the-middle, que podem preparar o cenário para novos ataques cibernéticos. A ferramenta é comercializada como “à prova d’água” – podendo ficar ao relento – e sua bateria tem uma duração de quatro dias.

A Jenovice, que enfrenta a concorrência de outras empresas israelenses, incluindo a WiSpear e a Magen 100, comercializa o Piranha para governos de todo o mundo, conforme regulamentado pelo Ministério da Defesa israelense. Outro produto, o Orion, não está sujeito a regulação porque é vendido como ferramenta para geolocalização de redes WiFi e de dispositivos conectados a elas. A empresa pode vender o Orion a qualquer cliente.

Os clientes recebem treinamento extensivo e, em seguida, seus operadores podem controlar os equipamentos em qualquer lugar, a partir de um centro de comando e controle. A Jenovice não tem acesso ou conhecimento das operações do cliente depois que o treinamento e a venda estão completos. A empresa também vende outros produtos, incluindo ferramentas de extração de dados e exploits, para clientes governamentais.