Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Kryptus cresce 100% em 2018

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A Kryptus, empresa estratégica de defesa, fornecedora brasileira de soluções para segurança da informação com base em criptografia, cresceu 100% em faturamento em 2018 com relação a 2017. Só em novos negócios, o valor foi o triplo do registrado em 2017. Ainda que nenhum novo negócio seja fechado neste ano (o que é improvável), o faturamento se manterá estável até o final de 2021, detalha o CEO da empresa, Roberto Gallo. O faturamento, explica, tem esse perfil porque é realizado em ritmo de backlog, com as entregas acontecendo em prazos que podem chegar a três anos. A Kryptus se especializou, segundo ele, em projetos de tamanho médio, “digamos projetos que vão de meio milhão de reais a 20 milhões de reais. Empresas menores não conseguem executá-los por falta de estrutura e as maiores não se interessam. Mas esse é justamente o nosso sweet spot”.

Entre outros fatores do crescimento em 2018, disse Gallo, houve uma alta nas vendas para o governo. Para este ano, porém, o CEO da Kryptus não espera um volume de vendas ao governo como em 2018. Houve também bom faturamento com exportações, especialmente para os Estados Unidos, Suíça e países da América Latina. Esses avanços no exterior contaram com o suporte do grupo suíço Kudelski, que desde 2016 é parceiro estratégico da Kryptus. O grupo é especializado em segurança digital principalmente para transmissões de TV e tem um faturamento anual da ordem de US$ 1 bilhão. Hoje, acrescenta Gallo, as exportações da Kryptus já representam 40% de seu faturamento.

Cyber

Um dos itens da receita que mais cresceu no ano passado foi a prestação de serviços de cibersegurança. Até 2016, cyber era apenas um complemento no atendimento aos clientes, mas de lá para cá tornou-se uma nova área de atuação e está se tornando importante no faturamento. Embora o ticket médio seja bem menor do que nas soluções em plataformas, representou 30% da receita da Kryptus em 2018.

Rádio

Gallo detalha uma das conquistas notáveis do ano passado: “Em 2018 a gente conseguiu por assim dizer monopolizar a criptografia para rádio militar no Brasil. Estamos em todos os programas. Isso saiu da mão de empresas estrangeiras e veio para a mão dos brasileiros”, comemora. O CEO da Kryptus explica que os rádios importados não oferecem plena interoperabilidade. Principalmente na parte de criptografia. “Agora um certo rádio pode ser produzido por um certo fabricante mas a parte de criptografia fazemos nós. Isso é bom para o Brasil porque comunicar é interoperar. Quando você pega rádios de diferentes fabricantes, um não se comunica com o outro e a parte que mais pega é a parte de cripto. Mas se isso está com uma empresa estratégica de defesa brasileira deixa de ser um problema para o governo”, finaliza.