Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Líder de quadrilha de keylogger se entrega

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Air Cândido Neto

Na segunda-feira da semana passada, dia 20 de Agosto, Air Otávio Cândido Neto se entregou na sede da Polícia Federal em Palmas. Ele estava sendo procurado desde Março por ser um dos líderes de uma quadrilha de cibercriminosos que furtou perto de R$ 10 milhões de clientes de vários bancos. Há 49 acusações de furto contra ele num processo aberto pela Polícia Federal do Tocantins. A gang de Cândido Neto foi desarticulada em Março na operação “Código Reverso”, da PF e operava com pagamento de boletos utilizando a conta bancária das vítimas, compras pela Internet e transferências de valores. As investigações foram iniciadas após a queixa de um cliente de quem foram furtados R$ 10 mil.

No total foi pedida a prisão de 19 envolvidos, em Tocantis, Pernambuco, São Paulo e Goiás.

A base do esquema era apoderar-se das credenciais bancárias do cliente por meio da contaminação de um dispositivo utilizado para internet banking ou mobile banking.  A PF descobriu que os golpes contavam com a ajuda de criminosos da Rússia e de Hong Kong. Os da Rússia forneceram endereços de email e números de celulares para uma campanha de phishing no Brasil. Os de Hong Kong fizeram o disparo periódico dos e-mails e SMS para as vítimas, contendo um endereço onde elas iriam contaminar seu celular ou seu computador com um keylogger – um malware que registra (ou mostra aos bandidos) tudo o que o usuário faz.

Com os dados bancários obtidos, os criminosos entravam na conta, faziam transferências, clonavam cartões e faziam  compras. Com o dinheiro das vítimas, faziam pagamentos de boletos, cobrando para si, pelo serviço, de 40 a 60% do valor dos boletos. Com o dinheiro recebido, compravam moedas virtuais e bens, além de levar uma vida de luxo. Um dos suspeitos presos, chamado William Marciel Silva de Freitas, declarou que ganha 971 reais por mês como vendedor. Mas no período investigado movimentou R$ 2,1 milhões no Banco do Brasil. A quadrilha tinha um grupo de agenciadores e operadores que buscavam pessoas interessadas no pagamento de boletos com desconto. Procuravam também pessoas que pudessem receber mercadorias adquiridaspor meio de fraude.