Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Maioria dos adultos compartilha conteúdo íntimo

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook
Maioria dos adultos compartilha conteúdo íntimo
Clique para ver o infográfico

Com o recente vazamento de fotos íntimas de celebridades, a McAfee, empresa integrante da Intel Security, alerta sobre os cuidados necessários para proteger dados pessoais do ataque de hackers. A empresa realizou pesquisa com 500 consumidores brasileiros, no início do ano, e constatou a maioria das pessoas pode estar correndo o risco de ter conteúdo íntimo exposto na internet. De acordo com o estudo, 62% dos entrevistados disseram que enviam ou recebem conteúdo privado, incluindo vídeos, fotos, e-mails e mensagens; e 61% das pessoas que recebem costumam armazenar esse conteúdo.

A amostra destaca como o compartilhamento de conteúdo pessoal como textos sugestivos, fotos de nús, vídeos e senhas podem potencialmente levar ao cyberstalking – prática criminosa que consiste no uso de ferramentas tecnológicas para perseguir ou assediar uma pessoa devido a exposição de conteúdo privado.

Dos entrevistados, 82% protegem seus smartphones com senha ou código de acesso. No entanto, 43% compartilham as senhas com o parceiro e 49% usam a mesma senha em vários dispositivos, aumentando a probabilidade de estes serem hackeados. Além de senhas, 60% dos entrevistados diz compartilhar com o parceiro o conteúdo do smartphone e 63% compartilha também contas de e-mail.

Outros dados apontam que entre os que enviam conteúdo íntimo, 76% os mandam para parceiros, enquanto 17% compartilham com desconhecidos. Mesmo assim, 91% das pessoas confia que seus parceiros não enviarão conteúdo íntimo ou informações privadas para outras pessoas, mas 75% diz que pede para o parceiro apagar as informações quando terminam o relacionamento.

A faixa etária entre 18 a 24 anos é a mais preocupada em acompanhar o que o parceiro faz na internet. 79% dos entrevistados olham o celular do seu parceiro para ver o conteúdo armazenado nele, incluindo mensagens e fotos. As pessoas que dizem entrar na conta do Facebook de seu parceiro pelo menos uma vez por dia somam 27%, enquanto 39% dos entrevistados admitiram também bisbilhotar o ex nas redes sociais.