Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Malware em smartphones: crescimento de 614% este ano

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Malware em smartphones: crescimento de 614% este anoDados da F-Secure, empresa de segurança e privacidade on-line da Finlândia, apontam que o crescimento do número de informações armazenadas em smartphones e tablets, além do aumento da quantidade de transações financeiras feitas nestes aparelhos, faz deles grandes alvos para hackers e pessoas mal intencionadas. Estima-se que até o final de 2014 o número de ameaças no universo mobile crescerá 614% em relação a 2013.

Outro dado levantado pelos especialistas da F-Secure é de que já existem aproximadamente 900.000 exemplos de vírus e malwares circulando entre smartphones e tablets. São 1.200 famílias de malware para mobile, sendo que 50% afetam o sistema Symbian, 45% o sistema Android e 5% outros sistemas operacionais. “Os vírus para smartphones e tablets são cada vez mais comuns. Como o Android superou a utilização do Windows, passou a ser o maior alvo dos hackers”, explica Roni Katz, especialista em segurança da F-Secure.

E como muitos usuários gostam de aproveitar a wi-fi gratuita oferecida por alguns estabelecimentos, acabam ignorando que essa conexão deixa o smartphone vulnerável. Mesmo uma rede wi-fi confiável, pode ser facilmente “hackeada” e as informações do aparelho acessadas, fotos e senhas bancárias roubadas, a câmera ligada remotamente e ligações feitas sem o conhecimento do usuário.

Neste caso, Roni explica que as mesmas dicas passadas para os usuários de cyber cafés e computadores públicos são válidas para quem utiliza tablets e smartphones em redes wi-fi gratuitas. São elas:

– Não entrar em sites com informações confidenciais, como bancos

– Não abrir anexos de e-mails suspeitos

– Verificar se o link de acesso ao site é real

– Não instalar aplicativos de lojas não oficiais

– Trocar periodicamente as senhas.

Mesmo tomando todas essas precauções, o vírus, uma vez instalado no dispositivo endpoint (seja qual for) está funcionando e alguns só transmitem os dados quando conectados à rede Wi-Fi. A F-Secure oferece soluções para proteger os aparelhos. O App Permissions, por exemplo, informa os aplicativos instalados no aparelho que comprometam a privacidade do usuário ao acessar dados confidenciais. Já o Freedome consegue proteger o usuário de uma conexão aberta à Internet, uma vez que criptografa todo o tráfego de rede do dispositivo do usuário, então mesmo que a conexão Wi-Fi seja insegura os dados estarão protegidos.