Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

McAfee e Symantec entram para a Cyber Threat Alliance

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

McAfee e Symantec entram para a Cyber Threat AllianceA McAfee e a Symantec se juntaram à Fortinet e à Palo Alto Networks na Cyber Threat Alliance. A aliança foi anunciada em maio pela Palo Alto Networks e pela Fortinet e é um projeto destinado a facilitar a troca de informações sobre ameaças e coordenar esforços anti-hackers entre as empresas de segurança. A aliança vai favorecer o compartilhamento de dados sobre vulnerabilidades como zero days, informações sobre servidores que são centros de comando-e-controle (C & C) de botnets, amostras de malware móvel e indicadores de comprometimento (IoCs) referente a ameaças avançadas persistentes (APTs). Gert-Jan Schenk, presidente da McAfee, hoje parte da Intel Security, disse que a aliança é um passo fundamental na batalha em curso da empresa para combater as ameaças da próxima geração. “Como a nossa dependência da internet continua a crescer, o mesmo acontece com a nossa vulnerabilidade aos ataques cada vez mais frequentes e sofisticados que os criminosos cibernéticos lançam sobre as empresas e consumidores”, disse ele. “Temos de enfrentar esses ataques agressivos não só com tecnologia inovadora e experiência, mas também a colaboração da indústria para garantir uma defesa mais forte”. A aliança é uma das muitas iniciativas recentes de compartilhamento de inteligência de ameaças. O governo do Reino Unido criou uma Parceria para Segurança da Informação Cibernética (CISP) em 2011, numa tentativa de aumentar a colaboração entre os setores público e privado no combate a ameaças cibernéticas. Schenk disse que apesar desses esforços ainda não há colaboração transnacional suficiente entre as empresas de segurança.