Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Pesquisa da Kyndryl aponta percepções sobre risco 

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Levantamento realizado com 300 líderes compara o estado de risco de TI e a implantação de resiliência cibernética 

Num mundo em que as organizações dependem de sistemas de TI híbridos complexos e dispersos, uma interrupção de rede, de sistema ou um ataque de malware pode afetar a produtividade, a reputação e os resultados de uma empresa.  

Diante deste cenário, a  Kyndryl, maior provedora mundial de serviços de infraestrutura de TI, decidiu avaliar as percepções de risco de TI e o que as organizações estão fazendo para implementar a resiliência cibernética. Para isso, a empresa realizou uma pesquisa global com líderes de TI para conhecer o que mais os preocupa e o que suas organizações estão fazendo para antecipar, proteger, resistir e se recuperar. 

Principais resultados da pesquisa: 

  • As organizações confiam na TI para operar processos de negócios críticos: 84% dos participantes concordaram que suas organizações dependem muito dos ativos de TI para operar processos de negócios críticos. 
  • A maioria das organizações experimentou interrupções em seus sistemas de TI: 92% dos entrevistados afirmaram que suas organizações passaram por um evento adverso nos últimos dois anos que comprometeu os sistemas de TI. 
  • Então, o que impede os tomadores de decisões de TI de antecipar os riscos de TI? A falta de capacidade para recuperar sistemas e dados foi apontada como um dos principais desafios na gestão do impacto de eventos adversos. Outros desafios mencionados foram expandir a propriedade de TI, a dificuldade de acompanhar ameaças emergentes e a falta de profissionais qualificados na área. 
  • Nos próximos 12 meses, os eventos de malware são percebidos como o maior risco de TI em termos de probabilidade e impacto mais negativo. 

O malware foi destacado como o risco de TI mais esperado e ameaçador e o erro humano foi considerado um risco provável, com um impacto menor em comparação com outros eventos. 

  • Apesar dos riscos percebidos, os tomadores de decisões de TI continuam confiantes: 88% dos entrevistados concordaram que suas organizações estão bem preparadas para lidar e se recuperar de qualquer condição adversa, ataque ou comprometimento que afete os ativos de TI de suas organizações. 
  • Além disso, o levantamento também aponta que os entrevistados que relataram que foram feitos investimentos em segurança estavam mais propensos a dar as melhores classificações para as atividades relacionadas à resiliência cibernética. 

No Brasil, um recente estudo do IDC, patrocinado pela Kyndryl e Microsoft, mostra que os ataques cibernéticos no país estão aumentando e levando as empresas a se precaver e protegerem seus negócios para garantir a manutenção de suas operações, à medida que avançam em suas jornadas de modernização e inovação. Segundo o estudo, a perspectiva de crescimento dos investimentos locais em resiliência é de 12,4% ainda em 2023.