Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Polícia desarticula grupo de cibercrime baseado no Distrito Federal

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio do trabalho investigativo da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), em ação conjunta com a Polícia Civil do Estado do Ceará, realizou hoje a Operação Inceptum. A ação objetivou desarticular o grupo cibercriminoso “The Cyber Mafia”, que atuava diretamente em ataques a plataformas governamentais.

Durante as diligências, os policiais cumpriram dois mandados de busca e apreensão relacionados à operação, em endereços de Fortaleza (CE) e Taguatinga (DF), com a participação de 25 policiais civis. De acordo com as investigações, os dois detidos pertenciam a um grupo cibercriminoso responsável por centenas de ataques cibernéticos ocorridos durante os últimos meses.

Os criminosos invadiam sites públicos e causavam a interrupção de serviços. No Distrito Federal, o último ataque identificado relacionado a tal grupo criminoso foi realizado no dia 18/ de outubro de 2022, quando a rede interna do GDF, conhecida como GDFNet, foi alvo de ataque cibernético”, destacou o delegado-chefe da DRCC, Giancarlos Zuliani.

Os agentes encontraram no computador do suspeito de Fortaleza centenas de credenciais que forneciam acesso a sites e bancos de dados vinculados à segurança pública de vários Estados da Federação.

Por meio de tais credenciais de acesso, os suspeitos podiam acessar bancos de dados e informações confidenciais de instituições e autoridades públicas, além de pessoas comuns.

Segundo apurado pela polícia, essas informações podiam ser utilizadas para elaborar dossiês contra autoridades; comercializar/fornecer dados de vítimas para estelionatários aplicarem golpes diversos pela internet; venda de dados pessoais, obtidos de forma clandestina e páginas falsas da web.

 O criminoso residente em Taguatinga também realizava venda de documento público falsificado, como certidão de óbito falso e carteira de vacinação.