Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Polícia quebra sigilo do IronChat, faz prisões

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

A polícia e o Ministério Público da Holanda conseguiram acesso a 258 mil mensagens trocadas entre criminosos no IronChat, um serviço de comunicação criptografado que custa nada menos do que US$ 250 por mês (as assinaturas são semestrais, vendidas a US$ 1500 cada semestre). O serviço é acessado em geral por meio de um celular Blackbox Ironphone. Graças a esse acesso foram feitas prisões de criminosos e apreensão de mercadorias.

Aart Garssen, chefe da unidade regional de investigação no leste da Holanda, contou que graças à leitura das conversas foram localizados um laboratório de drogas em Enschede, 90.000 euros em dinheiro, armas automáticas e grandes quantidades de drogas pesadas, principalmente MDMA e cocaina. “Além disso, tomamos conhecimento de uma ação retaliatória entre os criminosos”, disse Garssen.

O servidor no qual a comunicação criptografada ocorria foi descoberto depois que a polícia localizou, no Leste da Holanda, um fornecedor dos telefones criptográficos, durante uma investigação sobre lavagem de dinheiro. Os telefones custam milhares de euros e não servem para falar: podem apenas enviar mensagens de texto. Segundo a polícia, como um servidor criptografa a comunicação, todo o tráfego de dados era invisível para as autoridades. Foram presos um homem de 46 anos da cidade de Lingewaard, que é o dono da IronChat e do servidor, e seu parceiro de 52 anos. No processo aberto pela Justiça holandesa, os dois são suspeitos de lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. Suas casas e as instalações da empresa foram revistadas. A ação policial gerou buscas em vários lugares do país.

Segundo a polícia, a operação começou “depois que obtivemos indicações concretas suficientes de que um homem de Lingewaard vendia telefones criptográficos para os criminosos”. A leitura das mensagens, diz o comunicado, poderá levar a “avanços decisivos nas investigações em andamento. Os dados também podem ser usados para iniciar novas investigações criminais. Desta forma, evidências foram obtidas em investigações em curso e novas atividades criminosas podem ser interrompidas.

Criminosos achavam que podiam se comunicar com segurança com os chamados telefones criptográficos que usavam o aplicativo Ironchat. Especialistas da polícia no leste da Holanda conseguiram ter acesso a essa comunicação. Como resultado, a polícia pôde assistir ao vivo a comunicação entre criminosos por um bom tempo.