Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Rússia ameaça bloquear o Facebook

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

facebook A agência que regula as comunicações na Rússia ameaçou na última terça-feira bloquear o acesso ao Facebook dentro do país se a empresa se recusar a armazenar seus dados localmente. O aviso/ameaça foi do chefe da Agência Federal de Comunicações, Alexander Zharov, em declaração a jornalistas. O que ele disse textualmente é que o governo trabalhará para “fazer o Facebook cumprir a lei” com relação a dados pessoais, que devem ser armazenados no País. A lei, que entrou em vigor em 2015, é muito criticada por causa da possibilidade de exposição dos dados às agências russas de inteligência.

Zharov disse que o governo russo reconhece o Facebook como um “serviço único”, mas que não fará exceções e terá que bloqueá-lo no próximo ano se o Facebook não cumprir a lei.

No ano passado, a Rússia bloqueou o LinkedIn por esse motivo, depois que um tribunal decidiu que ele havia violado a lei sobre o armazenamento de dados. Como o Linkedin não fez isso, os russos só acessá-lo por meio de servidores proxys. Eles podiam acessar por meio de VPNs (virtual private networks), mas em julho o parlamento russo proibiu também o uso de VPNs, e outros serviços de proxy da Internet, citando preocupações sobre a disseminação de materiais extremistas.

A lei que obriga as empresas a armazenar dados pessoais sobre cidadãos russos na Rússia foi aplicada seletivamente desde a entrada em vigor há dois anos. Foi amplamente vista como tentativa do Kremlin de controlar a Internet. Ativistas russos da liberdade na Internet pediram às empresas tecnológicas internacionais que rejeitassem as convocações do governo para lhes dar acesso a dados pessoais, dizendo que isso prejudicaria a segurança cibernética para milhões de usuários russos.

O presidente da comissão parlamentar sobre política de comunicação e informação, Leonid Levin, disse esperar que as autoridades não bloqueiem o Facebook e que negociem com a empresa.