Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Seguro de responsabilidade civil cibernética garante proteção de empresas

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Em 2022, 23% das empresas brasileiras sofreram perdas financeiras e decorrências de ataques de hackers, segundo pesquisa anual realizada pela empresa de segurança Proofponit. O levantamento também identificou que 58% das firmas sofreram uma tentativa de ransomware, ou seja, os criminosos impedem que a vítima tenha acesso a dados nos sistemas afetados e cobram um pagamento para a liberação. 

Diante desse cenário, os empresários estão cada vez mais preocupados com a proteção de seus bancos de dados e têm contratado o seguro contra riscos cibernéticos. Segundo dados divulgados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), entre os meses de janeiro e junho, a modalidade acumulou cerca de R$ 98,12 milhões, o que representa um crescimento de 27,2%, em comparação ao mesmo período do ano anterior. O seguro de Responsabilidade Civil Cibernética oferece cobertura caso um terceiro busque indenização à empresa segurada em determinadas situações. 

Violação de informações pessoais e corporativas; ato, erro ou omissão na segurança de dados, lucros cessantes; despesas para a substituição de equipamento digital; e multas são alguns dos casos que o seguro oferece proteção. Segundo Luiz Carlos Gama Pinto, Diretor Executivo da Corretora de Seguros Bancorbrás, o cliente também tem a opção de complementar a apólice com coberturas especiais, como: pagamento de qualquer perda por extorsão sofrida pelo segurado, como resultado de ameaça de segurança; indenização em caso de distribuição de material que resulte em uma infração de direitos autorais; e cobertura para lucro que teria sido obtido e despesas operacionais em caso de falha de segurança que tenha causado interrupção ou suspensão dos negócios. “Tudo isso é um meio de a empresa se proteger caso algum ataque cibernético aconteça”, afirma. 

Mais proteção 

Especialistas apontam que, além do seguro, as empresas também precisam realizar manutenções preventivas a fim de evitar ataques que violem os dados dos colaboradores e clientes. Atualização de software, controle de acessos e auditorias nos mais variados níveis são algumas das ações que ajudam a garantir um pouco de tranquilidade e uma proteção ainda maior das informações da empresa. “São formas de evitar possíveis prejuízos financeiros e impacto na credibilidade do negócio”, comenta Luiz.