Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Setor financeiro é o mais visado pelos fraudadores

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

idwall, empresa de tecnologia especialista em gestão de identidade digital e soluções antifraudes, lançou a primeira edição do Fraud Report idwall, relatório proprietário sobre falsificações documentais em 2023, que revela insights sobre o comportamento criminoso no Brasil, responsável por prejuízos para empresas e cidadãos. 

De acordo com o estudo, a taxa de fraudes em documentos identificadas no ano passado atingiu 1,3%. Para comparação, em uma análise global de mercado, as taxas de fraudes em verificação biométrica em selfies e vídeos foram de 1,15% e 0,20%, respectivamente. Ou seja, falsificar documentos tem sido a forma preferida dos fraudadores tentarem se passar por outras pessoas. 

Para Raphael Melo, COO e cofundador da idwall, são três modalidades principais de fraudes documentais. “Na falsificação ideológica, o documento original é alterado para conter informações falsas. Já quando há roubo de documentos e dados, as informações legítimas das vítimas são utilizadas para fins criminosos. Temos ainda a identidade sintética, na qual é criada uma documentação do zero, apenas com elementos forjados”, explica. 

O relatório aponta o documento de identidade (RG) como o alvo principal dos golpes, representando mais de 60% das fraudes, que também são flagradas com CNHs, passaportes e carteiras de registro profissional. As principais manipulações foram foto, perfuração e tipografia. “No Brasil, atualmente, temos mais de 350 modelos de RGs em circulação. Lembrando que trata-se de um documento estadual, com versões diferentes por período. Essa particularidade nacional aumenta o desafio na detecção de irregularidades, por isso que a combinação de métodos de prevenção é recomendada”, diz o COO da idwall. 

O estudo também destaca padrões temporais nas fraudes, com taxas que se elevam no período noturno (após as 18h até meia-noite) de quarta a domingo, e chegam ao pico nas madrugadas (da meia-noite às 5h59) do final de semana, registrando uma proporção 33% superior em relação aos dias úteis. A maior taxa de fraudes em 2023 ocorreu aos sábados na madrugada, com índice de 1,8%, o que é 0,5 pontos percentuais acima da taxa média do ano (1,3%). Já as manhãs (entre 6h e 11h59) das sexta-feiras tiveram menos casos, com somente 0,9% das ocorrências. 

“Uma hipótese é que os fraudadores busquem aumentar as chances de sucesso ao optarem pelos finais de semana, quando as vítimas tendem a estar engajadas em atividades de lazer e, consequentemente, com nível de atenção mais baixo”, avalia Melo. 

A maioria das fraudes identificadas (70%) são classificadas como de baixa complexidade, o que significa que as adulterações ficam evidentes ao olhar treinado, porém em muitos casos podem passar despercebidas pelo julgamento de um leigo. Este tipo de fraude é aplicada em escala, em que os criminosos visam ganhos financeiros menores em cada ação.

Embora menos comuns, as fraudes de alta complexidade – que foram 2% do total de golpes em 2023 – apresentam um potencial de perda significativamente maior. A prevenção eficaz exige métodos avançados de detecção e uma abordagem proativa na identificação de padrões sutis.

Recorte regional e segmentos mais afetados pelas fraudes

Os documentos emitidos na região Norte do país lideram o ranking de fraudes, atingindo 2,4%. O Nordeste ocupa a segunda posição, com 1,8%, seguido pelo Sudeste (1,6%), Centro-Oeste (1,4%) e Sul (0,6%). Vale ressaltar que os golpes não necessariamente aconteceram na região de origem da documentação. 

O maior volume de documentos recebidos são provenientes da região Sudeste, representando 57,7%, seguido pelo Nordeste (15,1%), Sul (10,5%), Centro-Oeste (5,8%) e Norte (3,6%).

Ainda de acordo com o report, o segmento financeiro foi o mais visado pelos golpistas em 2023, concentrando 1,85% das fraudes ao longo do ano. A diferença é de 0.7 p. p. para o segundo colocado, o mercado de Transportes (mobilidade e delivery). Na sequência dos tipos de negócios mais acometidos estão Fantasy (1,03%), Saúde (0,78%) e Varejo (0,36%). 

Acesse o Fraud Report idwall completo: https://idwall.co/fraud-report

Prevenção por métodos combinados

Por meio da sua plataforma all-in-one, a idwall realiza um processo robusto de verificação documental. São utilizados mecanismos como  OCR (Optical Character Recognition, em português Reconhecimento ótico de caracteres), que extrai dados e tipifica documentos brasileiros automaticamente com a melhor acurácia do mercado. A averiguação da regularidade do documento é realizada com o Background Check, que consulta dados de pessoas físicas, jurídicas e veículos em mais de 300 fontes de informações públicas e privadas. 

Há ainda a verificação biométrica, que combina funcionalidades como Face Match, Liveness e Facelink, compara a foto 3×4 do documento com uma selfie e analisa se o número do CPF fornecido, está relacionado à mesma pessoa em um banco de faces. A união dessas tecnologias de documentoscopia, que utiliza métodos automatizados e também análise humana com técnicas forenses, reduzem expressivamente as fraudes.