Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Setor financeiro não consegue acompanhar evolução da fraude

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

Relatório da Appgate aponta que criminosos estão explorando tecnologias como Inteligência Artificial generativa e deepfakes para aprimorar ataques

São Paulo, 08 de novembro de 2023 – A Appgate, empresa de cibersegurança especializada em acesso seguro, acaba de divulgar o relatório Faces of Fraud 2023, que destaca a rápida evolução dos esquemas de fraude contra o setor financeiro a partir do uso de novas tecnologias. A pesquisa, que ouviu profissionais de mais de 150 instituições, revela que 83% das organizações admitem não ter capacidade para acompanhar as inovações dos fraudadores.

“A fraude online é uma ameaça em constante evolução no mundo da cibersegurança. Os criminosos enxergam cada inovação tecnológica como uma oportunidade de explorar a crescente complexidade das infraestruturas digitais, as superfícies de ataque em expansão e todas as possíveis vulnerabilidades em nossas defesas”, afirma Marcos Tabajara, country manager da Appgate no Brasil.

Um exemplo é a ampla adoção da Inteligência Artificial generativa, que tem sido utilizada para identificar vulnerabilidades, acelerar novos ataques e criar iscas mais atraentes, incluindo perigosos deepfakes. “Observamos o uso da IA como uma palavra-chave para atrair vítimas, enquanto os agentes de ameaças continuam explorando as complexidades criadas por infraestruturas de TI dispersas, digitalização, migração para a nuvem e a transição para forças de trabalho remotas e híbridas, juntamente com o uso generalizado de dispositivos pessoais”, acrescenta Tabajara.
 

O relatório da Appgate alerta ainda para um aumento no tempo de mitigação das fraudes em comparação com pesquisas anteriores. Também foi detectado que a implementação de ferramentas de prevenção pode estar acontecendo de forma fragmentada, uma vez que os responsáveis pelos controles de fraude nas instituições não se comunicam entre si.

A seguir, algumas das principais conclusões do estudo.

– 83% das instituições financeiras apontam a dificuldade de acompanhar a rápida evolução dos esquemas de fraudes como a principal vulnerabilidade enfrentada pelo setor.
 

– 40% das empresas ouvidas afirmam ter a visibilidade detalhada necessária para identificar o impacto de um ataque de phishing, enquanto apenas 19% conseguem detectar esse tipo de golpe em tempo real.

– 60% dos respondentes afirmam que a capacidade de sua organização identificar e mitigar uma fraude é superior ou acima da média, enquanto 37% a classificaram como média e apenas 3% como abaixo da média. No entanto, apesar dessa confiança, apenas 19% afirmam poder identificar um ataque de fraude em tempo real, e menos ainda, 11%, dizem poder mitigá-lo em tempo real.

– 20% das organizações que levam mais de uma semana para identificar uma fraude não conseguem mitigá-la ou não sabem se têm essa capacidade, enquanto 29% das organizações que levam mais de uma semana para mitigar a fraude também carecem dessa capacidade ou não estão certas de tê-la.

– 80% das instituições que implementam ferramentas de segurança afirmam que seus controles não se comunicam entre si, sendo esta a principal barreira para melhorar a prevenção contra fraudes.
 

O relatório Faces of Fraud 2023 está disponível gratuitamente no site da Appgate.