Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Stuxnet revigorado atinge de novo o Irã

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

O noticiário Hadashot de ontem da TV israelense informa que uma rede estratégica do Irã foi atingida por um malware destrutivo, semelhante ao Stuxnet. Esse malware é uma arma cibernética, supostamente desenvolvida por Israel e pelos EUA, que atingiu a rede da usina nuclear iraniana em Natanz em 2010, interferindo no programa nuclear governamental. Ao que se sabe o malware estragou as centtrífugas que operavam na produção de plutônio, o elemento necessário para as usinas.

O noticiário da TV diz que o malware responsável pela contaminação é mais violento, mais avançado e mais sofisticado do que o Stuxnet. As autoridades israelenses se recusaram a conversar sobre a possibilidade de terem alguma participação no incidente. Segundo o relato da TV, os iranianos não estão admitindo os danos. Mas no último domingo, Gholamreza Jalali, chefe da agência de defesa civil do Irã, disse que o governo havia neutralizado uma nova versão do Stuxnet: “Recentemente, descobrimos uma nova geração do Stuxnet, que consistia em várias partes … e estava tentando entrar em nossos sistemas”, disse Jalali.

O ataque anunciado ontem acontece horas depois de Israel ter revelado que o seu serviço secreto, o Mossad, havia impedido um complô iraniano para assassinar três iranianos que vivem na Dinamarca, e dias depois  de o telefone do presidente do Irã, Hassan Rouhani, ter sido hackeado. Houve recentemente uma série de golpes de inteligência de Israel contra o Irã, incluindo a obtenção, pelo Mossad, do conteúdo de um vasto arquivo documentando o programa de armas nucleares do Irã, e o detalhamento de seus ativos nucleares dentro do Irã, na Síria e no Líbano.