Hackers iranianos alegam ter derrubado energia em Israel
Ransomware atinge empresa de logística no Brasil
USP, UFRJ e UFMG sob ataque de negação de serviço
Pane de rede retardou produção na Volkswagen
Site da Prefeitura de Suzano (SP) está fora do ar
DDoS atinge subdomínio da NASA

Assine nossa newsletter Premium e ganhe acesso ao grupo de WhatsApp In_Cyber.
Conheça também a versão Básica

Varejo perde R$31,7 bilhões, dizem KPMG e Abrappe

Share on linkedin
Share on twitter
Share on facebook

O índice médio de perdas no varejo aumentou 22,31% em 2022 em relação a 2021, atingindo uma perda total de R$ 31,7 bilhões. Os setores de artigos de esportes, perfumarias, construção/lar, magazine nacional, magazine regional, moda e outros apresentaram uma perda acima da média. Os dados são da “Pesquisa Abrappe de Perdas no Varejo Brasileiro – Resultados 2022”, conduzida pela KPMG e a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe) a partir de entrevistas com 192 empresas. Na amostra, constam os maiores varejistas do Brasil, distribuídos em 20 estados e quatro regiões geográficas.

Os supermercados novamente tiveram destaque no aumento pelos riscos inerentes aos produtos de venda, como validade vencida de produtos, perecibilidade e avarias. Em contrapartida, os setores de calçados e eletromóveis/Informática apresentaram diminuição de porcentagem de perda, isso se deve ao fato de serem produtos com maior supervisão de exposição. Outros fatores como níveis de estoque elevados e faturamento abaixo do planejado também contribuíram para esse aumento.

“A maior causa desse crescimento, segundo a pesquisa, foi o aumento de furtos nos estabelecimentos comerciais que pode ter sido ocasionado pelo fim das restrições de fluxo de pessoas no período do isolamento por conta da pandemia da COVID-19. Com a liberação à rotina normal, as pessoas voltaram a frequentar os comércios, resultando num aumento de furtos”, diz Paulo Ferezin, sócio-líder para o segmento de Varejo da KPMG no Brasil.